DESTAQUES

Psicoterapia: empatia entre terapeuta e paciente é essencial

Aurea Caetano 19/09/2017 PSICOLOGIA
Psicoterapia: empatia entre terapeuta e paciente é essencial
Fonte: Google Imagens
A atenção dirigida à experiência única que ocorre entre terapeuta e paciente é crucial

por Aurea Caetano  

Falamos sobre a importância da empatia nos relacionamentos humanos, e em especial, na psicoterapia. Para que um trabalho profundo possa funcionar, é importante que ambos os parceiros - terapeuta e paciente – possam se relacionar de forma empática.

Mario Jacobi 1 diz: “A prática da psicoterapia junguiana consiste no encontro entre duas pessoas com a finalidade de tentar entender o que está ocorrendo no inconsciente de uma delas”. Acentua dessa forma a importância do encontro, e ao mesmo tempo, a responsabilidade do psicoterapeuta. Afinal, é ele o sujeito que, em sua totalidade, com sua formação, prática e teórica, vai se colocar a serviço do paciente que o procurou em busca de ajuda para suas inquietações.

 A questão do encontro é fundamental, o terapeuta assim como o paciente “sofre” transformações nesse processo e tem também sua personalidade modificada a partir dele.

Como disse Jung “Influir é sinônimo de ser afetado”, ele acentuava essa ideia mostrando que “o encontro de duas personalidades é como a mistura de duas substâncias químicas diferentes: no caso de se dar uma reação ambas se transformam” 2.   E, se não houver reação, não há transformação.

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



A ideia de um terapeuta asséptico, sentado em sua poltrona, ouvindo impávido, com isenção, sem emoção o que o paciente lhe conta é completamente falsa. Nosso trabalho, do lado de cá do espaço terapêutico, é também reconhecer como, quando e onde sou tocado em minha personalidade, em minha inteireza e disso fazer uso para o desenvolvimento do processo com aquele paciente particular.

E, apesar de minhas especificidades, de minha individualidade, a cada encontro e com cada paciente sou sempre o mesmo e também diferente. A atenção dirigida à experiência única que ocorre entre terapeuta e paciente é crucial para o entendimento dos padrões subjacentes nas mentes dos pacientes, que estruturam a personalidade e afetam a compreensão dos seus relacionamentos.

Os processos de padrões são fundamentais para o modo no qual nós usamos o passado para nos ajudar a integrar novas experiências e a predizer a experiência futura.

O terapeuta atento vive e percebe os padrões que surgem em seu relacionamento com aquele paciente e então ao longo do processo terapêutico, pode junto com ele, examinar esses padrões recorrentes. Esses padrões já se estabelecem desde o primeiro momento do encontro, ao falar ao telefone marcando a primeira sessão, nos momentos da sala de espera, nas primeiras entrevistas.

 Através desse exercício, podem-se explicitar formas e modelos subjacentes ao funcionamento daquela personalidade, ampliando seu conhecimento acerca de si mesmo, facilitando o caminho em direção à solução de suas questões.

1.Jacobi, M. “O encontro analítico”; Ed. Vozes
2.Jung, C. G. OC Vol 16, par. 163




TAGS :

    psicoterapia, terapia, empatia, jung, psicologia

Aurea Caetano

É psicóloga formada pela PUC-SP, trabalha em consultório com atendimento de adolescentes, adultos e casais. Mestranda em Psicologia Clínica na PUC-SP, analista junguiana formada pela SBPA- IAAP (Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica).



ENQUETE

A proliferação das redes sociais diminuiu suas relações, contatos e amizades presenciais?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.