DESTAQUES

Brincadeira é o trabalho da criança

Marta Relvas 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Brincadeira prepara a criança para a vida

por Marta Relvas

A atividade de brincar se faz necessária para formar conexões sociais normais, para ativar a área de recompensa e de tomada de decisões.

Nas brincadeiras infantis, as crianças testam limites e determinam o que é seguro e o que é perigoso.

A brincadeira prepara a criança para uma verdadeira atividade posterior, quando ela já estiver mais madura. Uma boa educação infantil baseia-se na ideia de que músicas, jogos e outras atividades são meios para a criança adquirir conhecimentos perceptuais, cognitivos, sociais e emocionais que as prepararão para o ingresso na maioridade.

A brincadeira é o trabalho da criança. Talvez seja a maneira mais eficaz delas aprenderem habilidades para o resto da vida e/ou descobrirem quais as suas verdadeiras capacidades cognitivas, afetivas, emocionais e sociais.

Vale aqui uma dica: Importante é não permitir que a brincadeira torne-se cansativa, enfadonha e estressante. O fundamental é considerar então que sua natureza deva ser agradável, pois é parte daquilo que faz a maioria das crianças crescerem com qualidade na saúde mental, emocional e física. Por exemplo: ouvir música com ritmos e intensidades diferentes, visualizar um objeto diversificado com cores diferentes, permitir tocar em diferentes texturas, dançar, correr, brincar de esconde-esconde, todos promovem uma intensa formação de novas conexões neurais.

Brincar promove uma ativação na área tegmental ventral, que é um grupo de neurônios mesencefálicos que secretam a dopamina e essa substância é enviada para muitas regiões do cérebro; acredita-se que essa atividade fisiológica desempenha funções relativas à recompensa, motivação e função cognitiva da criança no ato da brincadeira.

O humano nasce para aprender e tudo começa com o lúdico, por isso tem que se levar a sério. Dessa maneira, os estímulos e desafios precisam fazer sentido ao cérebro da criança, tendo como finalidade a organização e a observação do sentir e pensar do mundo para que seja construído com significado. Corpo, cérebro e mente são interdependentes - contudo, faz-se necessário criar hábitos e rotinas saudáveis, pois promovem a longevidade vital do cérebro da infância até a vida adulta.

Então, para manter qualidade de vida, permita-se brincar.




Marta Relvas

É Bióloga, Dra e Ms em Psicanálise, Neuroanatomista, Neurofisiologista, Psicopedagoga e Especialista em Bioética. Tem certificação internacional em Educação na Abordagem Reggio Emília na Itália e Title in Education Neurosciences and childhood and adolescence learning of Erasmus+ University – Europe – Portugal. É Membro Efetiva da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento, e da Associação Brasileira de Psicopedagogia. Autora de livros e DVDs sobre Neurociência e Educação pela Editora WAK e Editora Qualconsoante de Portugal. Professora Universitária da AVM Educacional / UCAM, UNESA - RJ e Professora Pesquisadora convidada no curso de Pós-graduação de Neurociência do IPUB/ UFRJ. Coordenadora do Programa de Pós-graduação de Neurociência Pedagógica na UCAM / AVM Educacional. Palestrante no Brasil e no exterior.



ENQUETE

De qual problema você gostaria de se livrar em 2018?








VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.