DESTAQUES

Sente-se refém emocional de um dependente químico? Saiba o que fazer

Danilo Baltieri 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Muitas vezes o codependente deixa de vivenciar seus princípios e crenças

por Danilo Baltieri

"Trabalho numa comunidade terapêutica para dependentes químicos. Namoro um deles. Ele resolveu sair da comunidade se dizendo preparado. Mas não demorou muito e recaiu. Ele tomou uma overdose e quase morreu. Eu não o abandonei nesse momento e fizemos novos planos. Entretanto, uma pessoa ligou anonimamente para minha mãe e contou tudo a ela, que já é idosa. Ela exige o fim do namoro. No entanto, não sei como fazer isso, pois temo que ele faça uma besteira e atente contra sua vida."

Resposta: O sistema de “codependência” segue passos bastante similares ao processo da “dependência” propriamente dita. A “codependência” começa com crenças ou sistemas de crenças distorcidas sobre si mesmo, relacionamentos, necessidades e também algumas vezes sexualidade. Essas crenças geram prejuízo na organização do pensamento, comprometendo a percepção do que é correto, honesto e verdadeiro. Dessa forma, embora o indivíduo “codependente” acredite que esteja ajudando ou tentando ajudar o “dependente” a melhorar de sua doença, acaba por fazer exatamente o contrário, dentro de uma vinculação afetiva patológica.

Entenda, na prática, a codependência

Muitas vezes, o indivíduo “codependente” deixa de vivenciar seus princípios e crenças básicos, para adotar outros completamente inadequados em função do ente querido dependente. Algumas das estratégias adotadas pelos codependentes são:

a) desprezar as suas próprias intenções e desejos para satisfazer as do outro;

b) desconsiderar comportamentos do outro que lhe são extremamente lesivos;

c) acobertar comportamentos inadequados do outro;

d) aparentar satisfação, quando não está de fato gostando do que está acontecendo;

e) evitar conflitos para manter as aparências e o relacionamento;

f) permitir que seus próprios princípios morais básicos sejam ultrajados;

g) acreditar que as suas próprias opiniões são sempre secundárias à opinião do outro;

h) culpar-se pelos problemas do outro.

O “codependente” passa a acreditar que a sua vida é imutável e que as suas ações devem satisfazer todas as necessidades do “dependente”, à revelia das suas próprias necessidades. O “codependente” passa a revelar alguns sintomas, tais como:

a) negligência de aspectos importantes da sua vida;

b) perda de amigos;

c) sonhos incomuns;

d) mudanças no apetite e no padrão do sono;

e) acidentes, doenças, machucados constantes devido ao estilo de vida extremamente estressante;

f) tentativas ou pensamentos suicidas;

g) problemas financeiros;

h) problemas no trabalho;

i) aceitação como suas das responsabilidades e dos deveres do “dependente”;

j) vivência de comportamentos degradantes ou humilhantes.

Seguramente, o “codependente” sente-se como “refém emocional do outro”. Os próprios desejos, opiniões, vontades e ambições ficam para um segundo plano. Também seguramente, os comportamentos e crenças do “codependente” não serão úteis para o “dependente” nem tampouco para o “codependente”.

Você deverá romper o seu padrão atual de comportamentos e crenças, tanto para promover o seu bem-estar quanto para que o outro consiga resultados satisfatórios com um tratamento adequado. Você deve procurar um tratamento médico com profissional altamente especializado na matéria. Não se trata de um processo fácil, mas é altamente necessário e urgente.

Também acredito que o início deste relacionamento possa não ter sido adequado. Se o seu atual namorado foi seu paciente, algumas implicações emocionais e também éticas podem incrementar a natureza problemática desse relacionamento. Não me aprofundo neste tema aqui, uma vez que acredito não ser o cerne da sua pergunta. No entanto, diante do que foi exposto, proponho que a procura por um tratamento com profissional especializado deva acontecer muito em breve. Não perca tempo!

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

De qual problema você gostaria de se livrar em 2018?








VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.