DESTAQUES

É preciso se internar para se desintoxicar de cocaína?

Danilo Baltieri 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Tratamento precisa ser individualizado e com especialista na matéria

por Danilo Baltieri

"Meu esposo a cada dois meses cai em tentação e usa cocaína. O que devemos fazer? Isso é caso de internação ou simplesmente uma desintoxicação com acompanhamento médico? Ele gostaria de se livrar desse vício"

Resposta: Tenho recebido incontáveis perguntas de leitores sobre problemas com o uso de cocaína/crack.

De fato, trata-se de sério problema de saúde pública que tem perturbado a saúde e a tranquilidade de várias famílias brasileiras e de muitos outros países ao redor do mundo. Nas respostas emitidas sobre esse importante e vasto tema, sempre exaro conselhos para a busca por auxílio profissional especializado.

O diagnóstico deve ser adequadamente realizado e o tratamento proposto. Como a população daqueles que padecem de transtornos mentais e do comportamento relacionados ao consumo de cocaína e crack é extremamente heterogênea, o tratamento deverá ser adequadamente individualizado. Propostas de classificação desses indivíduos baseadas em características clínicas têm sido desenvolvidas objetivando a maior eficácia terapêutica.

A Síndrome de Dependência de Cocaína é uma doença que afeta o funcionamento cerebral, com fatores causais múltiplos e manifestações clinicas muitas vezes diversificadas.

Consequências do consumo de cocaína:

1ª) No geral, o dependente manifesta perda de controle diante do consumo da droga;

2ª) Prejuízos sociais, familiares, escolares, profissionais associados com esse uso;

3ª) Consumo recorrente da droga a despeito das consequências nocivas;

4ª) Evidência de tolerância (o usuário necessita de doses progressivamente maiores para obter os mesmos efeitos que outrora conseguia com doses menores);

5ª) Sintomas de síndrome de abstinência (sintomas físicos e psicológicos advindos da parada abrupta do uso da droga ou da redução súbita da dose da droga - veja aqui), estreitamento do repertório das atividades do cotidiano.

Embora uma parcela substancial de dependentes de cocaína faça uso dessa droga com grande frequência, outros podem usá-la de forma episódica. Isso significa que alguns dependentes fazem uso com intervalo de tempo variável, em quantidade significativa para o indivíduo, sem controle sobre o desejo de consumir.

Como escrito previamente, o diagnóstico do quadro clinico deve ser feito por médico especialista e a busca por uma avaliação deve ser realizada de forma rápida.

Os tratamentos para essa doença são disponíveis em serviços especializados.

Seguramente, quanto mais preciso for o diagnóstico, melhor será a proposta terapêutica. Digo isso porque a coexistência de outros transtornos psicológicos, psiquiátricos e físicos entre dependentes de cocaína é bastante comum, e o profissional especializado estará apto para avaliar e manejar esses problemas.

Tenho sempre reiterado em respostas anteriores, que o tratamento da síndrome de dependência de substâncias é um processo de mão dupla. Isso significa que o paciente deve seguir as recomendações médicas, colaborando ativamente com a sua recuperação.

Como se afastar do consumo da droga?

A mudança do estilo de vida, a esquiva a ambientes onde o consumo ocorre (e a venda também), o afastamento de colegas de uso, a cessação do consumo de bebidas alcoólicas e a existência de uma rede familiar disponível para ajudar são algumas das mais frequentes recomendações.

Não existe medicação comprovadamente eficaz para lidar com a dependência

Infelizmente, até o presente momento, não existem medicações comprovadamente eficazes para o manejo dessa condição. Essa é uma notícia realmente infeliz, já que muitos dependentes de cocaína e crack não apresentam boa resposta terapêutica com tratamentos não farmacológicos.

Assim sendo, várias pesquisas ao redor do mundo têm envidado esforços no sentido de avaliar diferentes tipos de medicações para o controle sobre o desejo de usar a droga. Essas pesquisas devem ser incentivadas por órgãos governamentais e instituições de fomento à pesquisa. Apoio a pesquisadores sérios é amplamente necessário nesse contexto.

Dados sobre consumo no mundo

O uso crescente e preocupante da cocaína é um fenômeno que afeta muitos países e diferentes classes sociais. Tem ocorrido um aumento do consumo de cocaína nos últimos anos. Na Europa, mais de 3% da população experimentou cocaína ao longo da vida e 1% no último ano. Das pessoas que procuram tratamento por problemas com drogas, 8% são dependentes de cocaína. Atualmente, há aproximadamente 0,9 milhões de usuários de cocaína no Brasil, e os países do cone sul juntos explicam mais do que 2/3 de todos os usuários de cocaína da América do Sul. Na América do Norte, há cerca de 1,9 milhões de usuários de cocaína, com os Estados Unidos da América tendo a maior taxa de prevalência, ou seja, cerca de 2,4% da população entre 15 e 64 anos.

Cocaína e crack são a mesma substância, mas perfil do usuário é diferente

Também, é importante frisar que parecem existir diferenças entre dependentes de cocaína e dependentes de crack, embora “cocaína” e “crack” sejam a mesma substância química. Considerando os critérios para Síndrome de Dependência, a tolerância e o estreitamento do repertório de atividades são mais observados entre os usuários da substância em forma de crack do que entre os de cocaína. Um dos motivos para isso pode ser o fato de que, quando fumada, a cocaína atinge o Sistema Nervoso Central mais rapidamente do que quando usada por outras vias, causando assim efeitos euforizantes imediatos e contribuindo para maior gravidade de dependência. Assim sendo, os usuários de crack tendem a apresentar mais problemas sociais e de saúde, maior envolvimento com atividades criminais e menor permanência em atividades escolares.

Existem também diferenças sóciodemográficas entre os usuários das formas distintas da cocaína (inalada e fumada). Quem usa crack ou ambas as formas da droga (crack e cocaína inalada) tende a ser mais jovem do que quem usa apenas cocaína inalada.

Outra diferença entre esses grupos é o padrão de uso de álcool: usuários de cocaína costumam usar álcool juntamente com a droga, enquanto usuários de crack costumam beber em menor quantidade e depois do uso da droga. Os primeiros relatam mais problemas com o uso de álcool, enquanto os usuários de crack reportam mais problemas com essa e outras drogas ilícitas e com a saúde física e mental. Baseado nestas informações, pode-se inferir que, apesar de ser a mesma substância, usuários de cocaína, crack ou ambos podem diferir em alguns aspectos.

Tendo em vista as inúmeras variáveis que influenciam o comportamento do usuário e a gravidade do quadro clínico, o tratamento deverá ser individualizado e realizado por especialistas na área. Queira procurar ajuda médica especializada o quanto antes, objetivando a recuperação do seu esposo e a melhora da qualidade de vida de todos vocês.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

De qual problema você gostaria de se livrar em 2018?








VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.