DESTAQUES

Por que Jung aboliu o divã?

Redação Vya Estelar 01/01/2016 PSICOLOGIA
A base dessa terapia é o diálogo entre o ego consciente e inconsciente

por Leniza Castello Branco

Descrever um processo terapêutico de uma maneira adequada é difícil, mas dá para se mostrar uma parte das finalidades a que ele se propõe .

A melhor maneira de saber o que é uma terapia, é passando por ela.

Começando pelo setting terapêutico, na abordagem junguiana, analista e paciente sentam-se frente a frente.

Jung aboliu o divã, porque achava necessário um confronto direto e pessoal.

Jung aconselhou o analista a estudar o máximo e aprender tudo que puder, e a esquecer tudo quando encarar o paciente.

Ele dizia que os analistas devem estar abertos para aprender e para se adaptar “ao que vem ao seu encontro”.

Ele também diz que todas as abordagens são corretas e devem ser aplicadas e tentadas para o bem do paciente.

Todo o conhecimento do analista deve ser usado sem preconceitos.

A base dessa terapia é um diálogo constante entre o ego consciente e inconsciente. O ego é a nossa parte consciente: é o que eu sei; o que conheço de mim; o que me lembro; o que sei que desejo. O ego inconsciente é: o que desconheço de mim, ou o que esqueci; tudo o que sinto sem perceber; desejos desconhecidos; aspectos da personalidade que não reconheço; o que está fora da consciência, mas que existe dentro de mim.

No próximo texto, explicarei por que o terapeuta deve ter o máximo de conhecimento não só de psicologia, mas de literatura, artes, música, mitologia e religiões.




Redação Vya Estelar



ENQUETE

De qual problema você gostaria de se livrar em 2018?








VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.