DESTAQUES

Homens e mulheres tendem a reagir de modo diferente ao assédio moral

Karina Simões 01/01/2016 COMPORTAMENTO
O assédio moral é como um assassinato psíquico

por Karina Simões

Uma crescente queixa de mulheres na minha prática clínica me fez parar e pensar em escrever sobre o assédio moral.

A humilhação, seja no ambiente de trabalho ou em qualquer ambiente, pode provocar traumas e problemas de saúde que explico mais abaixo no texto. Essa humilhação frequente pode-se chamar de assédio moral.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê um aumento das doenças ligadas às formas de gestão e organização do trabalho, que nas próximas décadas irão dar corpo a novas doenças profissionais, ou seja, doenças psicológicas.

Segundo a psicanalista francesa Marie-France Hirigoyen, o assédio moral é como um assassinato psíquico, um processo contínuo de agressões que destrói lentamente a dignidade do sujeito”. Assim, entendemos como uma forma de coação social, que pode vir a se instalar em qualquer tipo de hierarquia e é também conhecida como "terror psicológico".

Cinco critérios que caracterizam o assédio moral:

1. Dano à dignidade e à produtividade do trabalhador;

2. Padrão repetitivo dos comportamentos degradantes;

3. O agressor apresenta intencionalidade nos seus atos;

4. A conduta é abusiva e se manifesta através de comportamentos intimidativos;

5. Os atos são premeditados por parte do agressor.

Prejuízos físicos e psicológicos do assédio moral

Na prática clínica percebemos claramente os prejuízos físicos e psicológicos que o assédio moral pode causar tais como:

- distúrbios cardíacos e endócrinos;

- alteração no sono;

- sudorese;

- problemas gástricos;

- dor muscular;

- diabetes;

- perda de memória;

- depressão;

- ansiedade elevada;

- estresse;

- dependência química;

- tentativas de suicídio;

- alcoolismo;

- síndrome de burnout (entenda esta síndrome);

- paranoia, entre outros.

Uma pesquisa conduzida pela médica do trabalho Margarida Barreto (PUC – SP/2005) afirma que: "O impacto sobre as relações sociais e afetivas das vítimas de assédio moral – 82,5% delas apresentam problemas de memória, 67% têm baixa autoestima e 60% desenvolvem depressão. Ela entrevistou 42 mil trabalhadores do setor público, de empresas privadas e de organizações não governamentais.

Mulheres e homens tendem a reagir ao assédio moral de forma diferente

Mulheres Homens

- Expressam sua indignação com choro, tristeza, ressentimentos e mágoas;

- Sentimento de inutilidade, fracasso e baixa autoestima, tremores e palpitações são constantes;

- Insônia, depressão e diminuição da libido também são manifestações características desse trauma.

- Sentem-se revoltados, indignados, desonrados, com raiva, traídos e têm vontade de vingar-se;.

- Ideias de suicídio e tendências ao alcoolismo;

- Sentem-se envergonhados diante da mulher e dos filhos, sobressaindo o sentimento de inutilidade, fracasso e baixa autoestima.

O importante é ficarmos alertas sobre os graves prejuízos que o assédio moral pode causar. Como nos ensina a psiquiatra e psicanalista francesa Marie France Hirigoyen: nessas agressões, morre-se lentamente deixando um pedaço de si mesmo.




Karina Simões

Psicóloga clínica cognitivo-comportamental. Possui especialização em Psicologia da Saúde e Desenvolvimento pela UFRN. Especialização pela Faculdade de Medicina do IPHC da USP. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas - FBTC. Mais informações: www.karinasimoes.com.br



ENQUETE

Você revidaria uma traição?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.