DESTAQUES

Sintomas de depressão pós-parto são frequentes

Karina Simões 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Maioria das mulheres manifesta o que se chama de “baby blues”

por Karina Simões

Tenho atendido em meu consultório muitas mulheres com sintomas de depressão pós-parto. Por isso, senti uma necessidade de esclarecer de forma educativa o tema.

Os sintomas podem ter início no terceiro dia a três meses depois do parto. E pode se prolongar por meses ou anos (até dois anos), caso não sejam tratados.

Sintomas como: choro, ansiedade, apatia, insônia, alterações do humor, dificuldades para concentrar-se, fadiga, baixa libido, culpa, sentimento de inutilidade, ataques de pânico, falta de sentimento pelo bebê e pensamentos de morte fazem parte do repertório do quadro.

Estudos apontam que a depressão pós-parto afeta uma em cada 10 mulheres.

Alguns fatores biológicos e emocionais/sociais influenciam e contribuem para a depressão pós-parto:

- Alteração hormonal (progesterona e estrogênio baixos);
- Falta de suporte emocional, familiar e social;
- Eventos da vida negativos durante a gravidez;
- Problemas pessoais com relação ao parto e à maternidade;
- Gravidez não planejada ou não desejada;
- Dificuldades conjugais.

O que fazer quando se instala a depressão?

- Busque ajuda de um psicólogo/psiquiatra e, confome o diagnóstico, reconheça (aceite) ter a depressão pós-parto e que tomar medicação adequada é necessário;

- Faça exercícios físicos regulares;

- Não se isole;

- Lembre-se de que a casa não precisa estar sempre impecável (pare de se cobrar);

- Peça ajuda e compreensão do companheiro.

O tratamento deve ser: psicológico, psiquiátrico e ginecológico. A maioria das mulheres manifesta o que se chama de “baby blues”, um quadro caracterizado por leve tristeza, ansiedade, irritabilidade, flutuações do humor e fadiga (sintomas de curta duração). Assim, são sintomas esperados e compreensivos que logo passarão.

Filhos de mães que tiveram depressão pós-parto podem apresentar problemas de ajustamento social na adolescência, maior propensão à depressão, apatia e abuso de substâncias, devido à ansiedade.

Na depressão pós-parto, sua manifestação clínica é igual a das depressões, ou seja, prolongada e incapacitante requerendo o uso de antidepressivos na maioria dos casos.

Ao suspeitar dos sintomas acima citados, procure ajuda de um psicólogo/psiquiatra, pois é de extrema importância para se ter um bom prognóstico.

Atenção!
Este texto não substitui uma consulta ou acompanhamento de um médico e não se caracteriza como um atendimento.




Karina Simões

Psicóloga clínica cognitivo-comportamental. Possui especialização em Psicologia da Saúde e Desenvolvimento pela UFRN. Especialização pela Faculdade de Medicina do IPHC da USP. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas - FBTC. Mais informações: www.karinasimoes.com.br



ENQUETE

Você revidaria uma traição?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.