DESTAQUES

Como sair da paquera no WhatsApp para o encontro presencial?

Anette Lewin 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Vocês estão apaixonados pela paixão

por Anette Lewin

"Tenho 61 anos e estou namorando virtualmente um homem de 67 anos. Moramos em estados diferentes. Já tem duas semanas que estamos conversando no WhatsApp por mensagens etc. Todos os dias ele manda um áudio pra mim dizendo sua paixão. Cada um mais lindo do que o outro. Eu estou confiando nele e disse que vamos encontrar o mais rápido possível. Mas às vezes tenho medo. Que tipo de mensagem devo enviar a ele? Já não sei mais como fazer. Obrigada."

Resposta: Você já viveu bastante para entender que declarações de amor são agradáveis de ouvir mas... nem sempre se transformam em atitudes amorosas ao deixarem a virtualidade.

Essa sua relação está apenas começando. Ele parece encantado com a oportunidade de se sentir apaixonado por alguém e você se sente bem sendo o alvo de uma paixão. É claro que, por enquanto, vocês estão apaixonados pela paixão, uma vez que mal se conhecem para saber se podem chegar a gostar um do outro.

Você pergunta que tipo de mensagem deve mandar a ele. Talvez, uma mensagem parecida com a que mandou para esta coluna. Diga a ele que se sente bem com as declarações que ele faz mas que tem medo, por enquanto, de sair da virtualidade; que gostaria de conversar mais para poder conhecê-lo melhor; que gostaria que ele falasse mais da vida dele, da família, das expectativas futuras para que você realmente possa entender melhor quem é ele em situações que não sejam as de sedução. Sim, porque dizer palavras bonitas não é difícil; compartilhar situações onde haja divergência de opiniões é.

Por outro lado, tente mostrar a ele, no que escreve, quem é você. Ele só conhece, por enquanto, seu lado receptivo à sedução. Tente falar de outros aspectos de sua personalidade, como lida com conflitos, o que sonha para sua vida neste momento, o que espera de um relacionamento amoroso mais maduro. É uma forma de você se apresentar como realmente é para sentir se ele pode vir a gostar de você de verdade. E se você pode vir a gostar desse homem que sabe seduzir, mas é ainda desconhecido em outros aspectos do cotidiano.

Depois desse novo tipo de troca, que vai além de lindas palavras lindas enviadas por áudio, você poderá se sentir mais confiante para encarar um encontro real, ou decepcionada por perceber que o homem por trás de lindas palavras não serve para você.

Cuidados

Se achar que vale a pena prosseguir, encare o encontro real, sempre, é claro, tomando os devidos cuidados. Existem golpistas por aí, você sabe. E bom senso nunca é demais. Assim, o primeiro encontro, de preferência, deve acontecer em um lugar público; por segurança e para que você tenha a liberdade de ir embora quando você quiser caso ele não corresponda ao que você ouviu no WhatsApp. Sim, esse tipo de coisa pode acontecer. Às vezes o aspecto físico não agrada, às vezes alguma coisa que o WhatsApp não mostra pode incomodar. Assim, depois do primeiro encontro real, tente ser sincera com você mesma e reveja sua posição. Se gostou, prossiga. Caso contrário, vá diminuindo a frequência das conversas até encerrar.

Pode acontecer o contrário também. Sim, ele pode não gostar de você pessoalmente. Se isso acontecer, evite dar um peso excessivo a isso. Afinal, nem todos os relacionamentos iniciados virtualmente conseguem sobreviver no campo da realidade. Esteja preparada tanto para um sim, quanto para um não e, principalmente, para um talvez.

Se houver uma empatia de ambos os lados e a relação prosseguir, valem as regras dos encontros que você, com 61 anos, já deve conhecer. Cada encontro traz uma nova informação até que um flerte se transforme em algo mais sério. E enquanto o relacionamento não for considerado sério, nada de compartilhar dados pessoais, como endereço, senhas, conta bancária ou emprestar dinheiro seja para o que for. Os golpes mais frequentes em pessoas da sua idade são os golpes financeiros, portanto, todo cuidado é pouco.

Finalmente, encare um novo relacionamento amoroso como uma tentativa, uma experiência, nunca como um objetivo de vida em si. Se relacionar-se com alguém na juventude dá trabalho, na maturidade mais ainda. Afinal, tanto você quanto êle já têm seus hábitos, seus horários, seu modo de enfrentar o dia a dia. Conviver com alguém nesse momento significa estar disponível para abrir mão do que já se acostumou e aceitar o desconforto de uma nova parceria. Tem seu lado bom. Mas tem um preço. Avalie se você está disposta a pagar.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga Anette Lewin responderá sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Anette Lewin

É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data.



ENQUETE

Você revidaria uma traição?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.