imagem de capa

Horóscopo chinês: 2018 é o ano do Cão; saiba como esse animal pode te ajudar a chegar lá

O Ano do Cão começa em 16 de fevereiro: é um ano de altruísmo, compaixão, tolerância, honestidade e lealdade

Da Redação  

Parece que nas últimas décadas a ideia do ciclo astrológico lunar chinês ou tibetano tornou-se popular no Ocidente e principalmente no Brasil.

Aliás, adoramos uma visão de esperança para tudo que se aproxima e sempre queremos extrair o positivo de todas as situações. E no famoso e conhecido “ano novo chinês” não é diferente.

O ano novo chinês (lösar em tibetano) em 2018 terá início no dia 16 e fevereiro e vai até o dia 5 de fevereiro de 2019. E qual a razão dessa diferença de dias do início do ano novo chinês com o início do nosso ano? Essa diferença de alguns dias se dá porque no Oriente os meses são calculados pelas fases da lua e no Ocidente, seguindo o calendário juliano, o ano é baseado no ciclo solar.

Agora, respondendo à pergunta ali de cima: 2018 é o Ano do Cão de Terra. Mas o que isso significa? O Ano do Cão é basicamente um ano de altruísmo, compaixão, tolerância, honestidade e lealdade, ou seja, será um ano que, segundo os chineses e tibetanos, teremos oportunidades de desenvolver um equilíbrio maior em nossas vidas e nos relacionamentos em nossa volta, exercitando também uma série de atitudes empáticas que tendem a nos tornar pessoas melhores.

Dizem que é um bom ano para mudanças pessoais, de trabalho, de posicionamento e de relacionamento.

Pois bem, muitos leitores devem estar empolgados e refletindo como esse ano vai ser maravilhoso. Talvez alguns irão usá-lo até para justificar aquele pedido de demissão que estão cozinhando há tempos ou a ideia de buscar um novo relacionamento ou, ainda, pensando que o mundo encontrará finalmente a paz e as diferenças serão extintas.

Mas calma aí, que as coisas não são assim tão simples. O Oriente acredita que o mundo possui ciclos de 12 anos que representam o nascimento, o crescimento, o apogeu e a destruição para tudo começar novamente. Quem conhece e compreende isso, utiliza essas oportunidades para ter um foco maior em atividades pessoais que possam se alinhar com aquele período específico.

No Oriente taoista, o alinhamento com o horóscopo é natural para as pessoas e utilizado no dia a dia, desde escolher nomes dos filhos até para casar ou cortar as unhas e cabelos. Porém, temos que entender que não é só viver do horóscopo que nos fará a pessoa mais feliz do mundo ou que tudo na nossa vida dará certo sempre. Você não vai progredir ou se livrar de um sofrimento se ficar sentado na cadeira só olhando o horóscopo. Tudo é um conjunto de ações.

'Fórmula' do sucesso

O sucesso e o progresso se dão pelos nossos esforços, pela nossa batalha diária, pelas mudanças de postura.

Dito isto, convido a todos a usarem as características desse Ano do Cão de Terra como uma inspiração e um incentivo a mais para desenvolver essas atitudes tão positivas que essa descrição astrológica nos desvenda. Nosso mundo precisa realmente de ética, honestidade, lealdade, mais compaixão, mais altruísmo, empatia e, principalmente, equilíbrio.

Pensem nas qualidades acima e pense no seu cão ou em um cão que você conhece. Não estamos falando de atitudes parecidas?

Sendo assim, no Ano do Cão de Terra escolha a sua raça e seja um cão nas suas melhores qualidades, 100% do tempo. E assim você terá certamente momentos felizes.

No meu caso, sou um apaixonado pela raça Staffordshire Bull Terrier e tenho uma em casa, a Pucca, que me ensina todos os dias o que é amor incondicional e afeto infinito.

Então, qual cão você escolhe ser?
 

Fonte: Mauricio Hondaku, um monge rock'n'roll, totalmente fora dos estereótipos. Segue a filosofia budista há 32 anos e tornou-se Monge há cinco. Pertence à Ordem Shinshu Otani - Higashi Honganji. Apaixonado pela cultura oriental e artes marciais desde a infância.


Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.

O que você achou do novo Vya Estelar?