DESTAQUES

Enredo de vida: entenda como o seu se formou

Ana Lúcia Paiga 31/08/2018 PSICOLOGIA
Enredo de vida: entenda como o seu se formou
Fonte: imagem: enviada por Ana Lúcia Paiga
Enredo: “É um plano inconsciente de vida elaborado na primeira infância a partir das influências parentais e das fantasias que a criança elabora sobre elas, ligadas a sua necessidade de sobrevivência” Eric Berne (1910 a 1970)

Por Ana Lúcia Paiga

Vamos entender como se dá esse processo de desenvolvimento.

A vida é soberana. Nosso instinto nos leva a uma busca de garanti-la e perpetuar nossa espécie.

Em geral, ao se tornar pai ou mãe, cada um de nós fará aquilo que acredita ser o melhor nesse papel. O objetivo é formar um indivíduo que represente esse pai e essa mãe da melhor forma possível, para que ambos continuem sendo admirados e aceitos.

Vamos então compreender como isso pode ocorrer na prática.

João é um homem exigente, perfeccionista, que atua de maneira crítica, com bastante dificuldade em expressar sua afetividade, pois não pode errar. Esta é sua crença do que é certo. Casou-se com Maria, uma mulher insegura, meiga e submissa, para exercer seu poder e assim ser aceito.

 O primeiro filho do casal, Rogério, foi recebido com muitas expectativas e dele se exigia que fosse o melhor em tudo, assim como era o pai. Não era elogiado, mas sim sempre pressionado a dar mais de si, como se seu desempenho nunca fosse o suficiente. João acreditava que se  elogiasse o filho, ele se acomodaria e deixaria de se esforçar. Maria o encobria, para que João não o reprimisse, mas Rogério sentia-se cada vez mais frustrado e culpado por nunca ser capaz de agradar seu pai. Cresceu como uma pessoa insegura, sem confiar que poderia ser amado e reconhecido. Buscou uma companheira forte, exigente, que continuava a fazê-lo sentir-se insuficiente na relação, perpetuando assim sua sensação de fracasso. Tornou-se uma eterna Criança Submissa.

Você deve estar se perguntando por que Rogério não foi em busca da aceitação, ou de uma mulher que o acolhesse como sua mãe, não é mesmo?...

Parece incoerente que se reclame de uma situação e permaneça nela, mas a Criança Adaptada (que vive o enredo), precisa  se manter em segurança repetindo os padrões conhecidos e cumprindo a mensagem que recebeu. Quando consegue compreender o que está fazendo a si mesma, através da conscientização, pode utilizar seu Adulto e Protetor internos para “redecidir” como prosseguir sem esse conflito.

Outros “Rogérios” poderiam ter se comportado de maneira diferente, diante desse mesmo João e Maria. Cada um trás características próprias, que combinadas com as experiências, vão determinar suas crenças. Cada ser humano é único e responsável por suas decisões. Naturalmente quanto mais cedo elas (crenças) se estabelecem, maior o risco de serem distorcidas, pois o Adulto que tem contato com a realidade objetiva, ainda não está ativo o suficiente.

“Rogérios”

Há o Rogério que vai se empenhar em fazer mais e melhor, ser arrogante, talvez até desonesto para provar que consegue “ganhar”.

Há o Rogério que vai optar por ser o oposto da expectativa do João, conseguindo atenção só pelas broncas e cuidados quando se transforma na “ovelha negra”, a Criança Rebelde que ninguém controla.

De qualquer forma, um Pai Crítico tende a gerar uma Criança Adaptada (submissa ou rebelde), que deixa de utilizar suas habilidades de forma livre e criativa.
Um Pai Protetor, nutritivo, vai estimular sim a criança a dar o seu melhor, expressando seu potencial e habilidades, mas respeitando seus limites.

Vai apoiar seu filho em suas dificuldades, permanecendo ao seu lado, orientando, mas não impondo. A criança precisa de limites para se sentir segura, mas não pode se sentir reprimida, impedida de ser quem é.
 
Rogério veio para a terapia quando seu casamento se tornou insuportável. Depois de compreender todo o enredo, conseguiu fortalecer seu Pai Nutritivo interno e mudou suas atitudes. De vítima impotente, passou a acreditar em si, lutar por suas conquistas e aceitar-se com suas limitações. Afinal, quem não as tem?...
 

1 e 2 de setembro - 5ª edição do International Happiness Forum em São Paulo - clique aqui




TAGS :

    enredo, história, vida, psicologia, autoconhecimento

Ana Lúcia Paiga

Faz psicoterapia para adolescentes, adultos e casais. Leciona Curso Básico de Análise Transacional (duração de 12 horas). Coaching (life-coaching e equipes. Realiza supervisão de profissionais ligados à educação (Lar Sírio Pró Infância). Faz palestras diversas sobre temas de autoconhecimento. Criação e Condução de workshops de desenvolvimento. Preparo e Acompanhamento de grupos à Comunidade de Findhorn. “Acredito que a melhor maneira de evoluir é compartilhar experiências.”



ENQUETE

Você acredita na lei de causa e efeito ou lei do carma?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.