imagem de capa

Vya Estelar Responde

Fala Leitor

De A a Z: o significado da rejeição unilateral no relacionamento amoroso

Verbete de hoje: rejeição unilateral

22 jan, 2019

Verbete explicado a partir do e-mail enviado por uma leitora:
 
“Meu marido insiste em viver comigo, mesmo sabendo que eu não quero continuar mais com ele. O que faço?”

Por Anette Lewin

Seu marido deixa claro que quer ficar com você. Você diz que não quer continuar com ele, mas não consegue tomar uma atitude e desfazer o vínculo.

Em geral, quando um não quer mais o relacionamento ele se torna inviável. É importante que você entenda, num primeiro momento, se você realmente não quer mais ou se ainda tem dúvidas. Tem certeza da sua decisão? Já tentou mudar algumas atitudes para ver se a relação melhora? Sente que ficará melhor sozinha do que com ele? Bem, se a resposta a todas essas questões, e outras no gênero que puder fazer, for sim, é hora de começar a pensar no modo de colocar sua decisão em prática.

Certamente não é fácil se colocar para alguém cujas intenções são diferentes das suas. Esse é o principal motivo pelo qual você tem que estar muito certa de sua vontade para que seu marido perceba que, para você, a relação chegou ao fim. E que, embora ele queira continuá-la, isso não será mais possível. Assim, se ainda não começou, comece a prepará-lo para a separação.

Certamente ele tentará impedir você de dar qualquer passo. Ou através de argumentos, promessas, propostas, caso ele seja uma pessoa de diálogo, ou através de ameaças, caso seja uma pessoa que caminha afastado de atitudes racionais. E é aí que mora o perigo. Homens inseguros, truculentos ou alcoólatras são capazes de qualquer coisa quando sentem que estão perdendo. Principalmente quando sentem que estão perdendo a mulher que muitos podem considerar sua propriedade. O maior índice de feminicídios ocorre nessas situações e vem aumentando bastante nos últimos tempos. Por isso, todo cuidado é pouco ao iniciar um processo de separação.

Sempre é bom procurar se colocar via diálogo, se este for possível. Esse diálogo deve evitar acusações, culpas. É melhor se posicionar como a responsável pela vontade de se separar sem enumerar os defeitos dele que, certamente ele já está cansado de saber. Caso ele tente convencê-la a ficar, apenas ouça, evite argumentar, pois argumentos sempre passam a impressão de dúvida. O silêncio expressa melhor a certeza. Se ele resistir, tente novamente, e novamente e novamente até que as coisas fiquem claras. A não ser que os comportamentos dele sejam insuportáveis (o que não parece ser o caso), dê o tempo que for necessário para ele se acostumar com a ideia. Afinal, cuidar do relacionamento em seu final é tão importante quanto cuidar dele em seu começo.

Concretizar a separação implica também em criar condições para viver separada. Decida onde vai morar, como vai se sustentar, enfim, crie movimentos que sinalizam que você está indo mesmo. Ficar falando sem agir também pode dar a impressão que você não está pronta para se separar.

Cuidado, sensibilidade, paciência são as palavras de ordem numa separação não consensual. Mas nem sempre elas são suficientes para evitar momentos tensos. O que não quer dizer que você seja obrigada a ficar eternamente num relacionamento que para você se esgotou. Cerque-se dos cuidados mencionados e vá em frente. E, caso inicie um novo relacionamento amoroso, evite expô-lo ostensivamente enquanto não estiver muito certa de que seu ex já digeriu a realidade da separação.

Como foi dito, ver a ex-mulher com outro parceiro é extremamente difícil para a maioria dos homens. Essa é a situação mais suscetível de provocar neles atos insanos, violentos e radicais. E se apesar de todos os cuidados, você se sentir ameaçada depois de se separar, não hesite em tomar medidas preventivas judicialmente. A lei está aí para protegê-la e impedi-lo de chegar perto de você. Certamente viver com medo, apesar da lei, não é a melhor solução. Então, só use esse recurso quando os outros estiverem esgotados.

Finalmente, caso pretenda reconstruir sua vida amorosa, evite escolhas impulsivas ou irracionais. Talvez você não consiga saber quem é uma pessoa em algumas semanas ou alguns meses. Mas depois de uma convivência maior, sabe-se com quem se está convivendo. Pequenas agressões podem crescer, leves tapas podem se transformar em socos, ceninhas constantes de ciúme podem se transformar em obsessões fatais culminando em morte. Em casos como esses, saia enquanto é tempo.

Certamente, você está passando por uma situação que não gostaria que se repetisse, não é?

Então saiba que uma escolha amorosa cuidadosa, juntamente com o cuidado cotidiano com a relação, são as chaves que abrem as portas para um relacionamento amoroso saudável.
 

Atenção!
Este texto não substitui uma consulta ou acompanhamento de um psicólogo e não se caracteriza como sendo um atendimento.


É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data. É coach em saúde mental.


Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor(a), ainda mais pertinho de nós. A psicóloga Anette Lewin responderá perguntas enviadas por você sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Esta resposta possui dois formatos:

1º formato: responder as perguntas enviadas por você;

2º) formato: extrair uma palavra em específico de uma pergunta que você enviou (ex: traição). E partir desta palavra, revelar o significado do que sentimos ao nos relacionar. Seu nome e e-mail serão preservados.

O que você achou do novo Vya Estelar?