imagem de capa

Saúde e Bem-estar

Alimentação

Carragena

Um aditivo alimentar que inflama o intestino e pode causar diabetes

Por Tamara Mazaracki

Carragena é um aditivo alimentar, sem valor nutricional, do qual muitos nunca ouviram falar. A carragena é extraída de algas vermelhas (Chondrus crispus - imagem acima) e parece saudável, afinal é de origem natural. A carragena é frequentemente usada para engrossar leites vegetais, além de alimentos com baixo teor de gordura (light ou zero gordura). Ela ajuda a estabilizar bebidas que podem se separar como leite achocolatado, deixa os sorvetes mais cremosos, faz parte de shakes prontos para beber, pode ser adicionada a carnes processadas para dar liga, e muito mais.

Agente inflamatório

A carragena tem sido usada há décadas como espessante em uma ampla variedade de alimentos, porém um conjunto crescente de evidências traz questionamentos sobre a sua segurança. Os estudos mostram que a carragena pode causar inflamação, levando a doenças do aparelho digestivo, síndrome do intestino irritável, colite, resistência insulínica, diabetes e até mesmo câncer.

Alimentos com carragena

A carragena (também denominada de E407 ou extrato de alga marinha) pode estar presente nos seguintes alimentos:

- leite vegetal (de soja, amêndoa, arroz, coco);

- iogurte, leite fermentado, bebidas lácteas, creme de leite;

- leite achocolatado;
- suplementos nutricionais (bebidas proteicas e shakes como Ensure, Glucerna, Slim-Fast);

- sorvete;

- queijo cremoso, queijo cottage;

- sobremesas à base de soja;

- sopa enlatada;

- pizza;

- pratos congelados;

- carnes processadas;

- molho de salada;

- barrinha de cereais;

- chocolate;

- comida infantil e muitos outros produtos, incluindo rações para animais.  

O consumo estimado na dieta humana é de 18 a 40 mg/kg/dia. Uma pessoa com 60 kg ingere entre 1.000 a 2.400 mg de carragena diariamente.

Tipos de carragena

A carragena é especialmente comum em leites vegetais, que são cada vez mais consumidos por quem quer evitar a lactose.  Existem dois tipos de carragena, a degradada (com baixo peso molecular) e a não degradada (com alto peso molecular). A versão não degradada é aprovada para uso em produtos alimentares, enquanto a degradada é um conhecido agente cancerígeno. O problema é que a carragena alimentar (não degradada) também traz uma série de problemas ao organismo, como mostram diversos estudos científicos. Ela pode ser degradada durante o processamento do alimento ou já vir contaminada pelas pequenas moléculas da carragena degradada.

Câncer e colite

A carragena alimentar é um cofator na produção de lesões cancerosas. Ela inflama as células, principalmente na mucosa intestinal, e produz ulcerações que se assemelham à colite ulcerativa. Muitos especialistas acreditam que a carragena promove inflamação do cólon alterando o equilíbrio da microflora intestinal. O papel potencial da carragena no desenvolvimento de pólipos e lesões malignas no aparelho digestivo e na doença intestinal inflamatória faz com que o seu uso como um aditivo alimentar se torne arriscado. Pólipos podem evoluir para câncer de cólon.

Inflamação e imunidade

A exposição à carragena provoca inflamação quando consumimos alimentos que contêm o espessante, mesmo em pequenas doses. É sabido que a inflamação crônica é a causa inicial de muitas moléstias graves, incluindo doenças cardíacas, Alzheimer, Parkinson e câncer. O sistema imunológico pode ficar hiperreativo em contato com a carragena, o que resulta em uma maior reposta inflamatória.

Diabetes
Quando ratos de laboratório e células hepáticas humanas são expostos a baixas concentrações de carragena por apenas 18 dias, ambos desenvolvem intolerância à glicose e resistência à insulina, que podem levar ao diabetes. A carragena dispara dois mecanismos que contribuem para a doença: ela estimula a produção de mediadores químicos que incitam a inflamação e reduz sinalizadores que deveriam melhorar a função da insulina. O resultado é um descontrole no metabolismo do açúcar, primeiro passo para o diabetes.

Leia o rótulo

Alimentos orgânicos não estão livres do aditivo. Por isso sempre leia o rótulo e evite a carragena, que também pode vir descrita como E407 ou extrato de alga marinha. Esta alga natural pode estar danificando a sua saúde!

Referências

*Food & Function 2018. Revisiting the carrageenan controversy: do we really understand the digestive fate and safety of carrageenan in our foods?
*Frontiers in Pediatrics 2017. The role of carrageenan and carboxymethylcellulose in the development of intestinal inflammation.
*Molecular Nutrition & Food Research 2017. Digestive fate of dietary carrageenan: Evidence of interference with digestive proteolysis and disruption of gut epithelial function.
*Journal of Diabetes Research 2015. Exposure to common food additive carrageenan alone leads to fasting hyperglycemia and in combination with high fat diet exacerbates glucose intolerance and hyperlipidemia without effect on weight.
*Journal of Biological Chemistry 2015. Carrageenan Inhibits Insulin Signaling through GRB10-mediated Decrease in Tyr(P)-IRS1 and through Inflammation-induced Increase in Ser(P)307-IRS1.
*Diabetologia 2012. Exposure to the common food additive carrageenan leads to glucose intolerance, insulin resistance and inhibition of insulin signalling.


Médica especializada em Nutrologia. Membro da ABRAN – Associação Brasileira de Nutrologia. Pós-graduada em Terapia Ortomolecular, Nutrição Celular e Longevidade – FACIS-IBEHE Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo e Centro de Ensino Superior de Homeopatia. Membro Titular da Sociedade Médica Brasileira de Intradermoterapia. Consultora com atuação em Nutrologia e Medicina Ortomolecular. CRM 52 301716 www.tamaramazaracki.med.br

O que você achou do novo Vya Estelar?