imagem de capa

Saúde e Bem-estar

Saúde e Drogas

Empatia: um desafio para o educador

“Como você aprende, quais são os seus sentidos sensoriais mais aguçados?”

10 abr, 2019

Por Marta Relvas

A educação e o aprendizado humano permeiam pelos aspectos biológicos, psicológicos, emocionais e sociais, isso, já sabemos. E sem dúvida é a didática da prática pedagógica o conhecimento norteador para a aplicação de uma informação coerente e significativa para que o estudante possa construir questionamentos relevantes para a vida.

A ciência vem criando uma “ponte”, um elo, com a educação no que se refere sobre a construção das aprendizagens significativas. Ainda estamos longe de saber o que é o melhor, mas, a ciência da educação vem cada vez mais fortalecendo conceitos sobre esses importantes eixos a serem estudados. Cada vez mais educadores, professores e gestores educacionais precisam reconhecer que o aprendizado é subjetivo, por isso, as metodologias e as abordagens pedagógicas deverão ser específicas para atender cada estudante especificamente em suas necessidades.

A pergunta que deveria inicialmente ser desafiante ao estudante é: “Como você aprende, quais são os seus sentidos sensoriais mais aguçados?”. Mesmo que ele não reconheça, o educador é um mediador para identificar e até sugerir metodologias. Utopia? É possível se fazer?

Escola humanizadora: ponto de partida
 
O ponto de partida para uma escola humanizadora é a contribuição e desenvolvimento do autoconhecimento, da autorregulação, autonomia dos processos cognitivos, afetivos e sociais, e potencializar a capacidade da empatia,  solidariedade, generosidade, compaixão e amor ao próximo, fortalecendo vínculos, por meio das relações afetivas, como: os valores educacionais e familiares, estes, traduzem a linguagem das habilidades socioemocionais. E os educadores, sem dúvida, estão dispostos a realizarem novas propostas metodológicas e oportunidades para os avanços no desempenho escolar.

A ciência é um instrumento que traz para a educação o reconhecimento biológico e psicológico de como o cérebro aprende, e evidencia a modificabilidade neuronal, quando a aprendizagem ocorre por meio de abordagens significativas, prazerosas no processo da construção do conhecimento.   


Bióloga; Doutora e Mestre em Psicanálise; Neuroanatomista; Neurofisiologista; Psicopedagoga e Especialista em Bioética; Tem certificação no programa internacional em Reggio Emília Study Abroad Program na Itália; Title of People Expression Special category Best Practices in Education Neurosciences and childhood and adolescence learning of Erasmus+ University – Europe – Portugal; Membro Efetiva da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento; Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia Rio de Janeiro; Autora de livros e DVDs sobre Neurociência e Educação – Transtornos da Aprendizagem publicados pela Editora WAK e Editora Qualconsoante de Portugal; Atua ainda como Professora Universitária na Universidade AVM Educacional / Cândido Mendes, nos cursos de pós graduação em Psicopedagogia, Psicomotricidade, Neurociência Pedagógica, e na formação Docente; Professora na Universidade Estácio de Sá no Rio de Janeiro nos cursos das áreas: saúde, licenciatura; Professora Mentora do curso de Neurociência e Educação CBI OF Miami. Professora, pesquisadora convidada no curso de pós graduação de Neurociência do IPUB/ UFRJ. Coordenadora do Programa de Pós graduação de Neurociência Pedagógica na Universidade Candido Mendes/ AVM Educacional. Palestrante no Brasil e no exterior.

O que você achou do novo Vya Estelar?