imagem de capa

Autoconhecimento

Minhas Atitudes

Bichinhos de estimação aliviam dores emocionais

Animais de estimação têm um poder de cura sobre nós

01 jan, 2016

por Tatiana Ades

Fui visitar uma amiga recém-operada e fiquei encantada com uma voluntária que trazia seu cão Justin para visitar os doentes.

Claro... só se os doentes quisessem. Vi o olhar de minha amiga modificar-se após acariciar o pelo desse doce animal que lambeu suas mãos, seu rosto, e quis brincar com o ursinho de pelúcia que tinha levado para ela. O olhar e o coração dessa minha amiga iluminaram-se, aquecerem-se...

Intrigada, acompanhei a ronda de Justin pelos outros quartos com pacientes de várias idades e acometidos de várias dores. Impressionante! O resultado foi sempre o mesmo: as dores, tanto físicas como emocionais, diminuíam e me pareceu que no momento do encontro entre o cão e o ser humano, acontecia uma troca positiva de energia, uma emoção boa que reforçava a vontade de lutar, de vencer.

Fiquei pensando o quanto é importante esse apego do ser humano a um bicho de estimação. É um sentimento incomparável. É um amor compartilhado, cúmplice. Não estou falando apenas da delícia de termos o nosso cachorrinho ou gatinho aconchegado no colo. Não estou colocando apenas a importância de um bichinho de estimação na educação de uma criança, criando laços de responsabilidade, de respeito, de limite, de amizade e de lealdade.

Não estou realçando apenas o uso de certos animais ensinados para ajudar os deficientes como os cegos por exemplo, ou os que trabalham ao lado dos policiais. Estou me referindo a uma troca mais ampla e comprovada de que certos animais domesticados têm o poder de cura sobre nós.

Basta investigarmos os progressos obtidos com autistas quando os colocamos em contato com cavalos; a melhora do humor dos idosos deprimidos quando em contato com cães e a presença cada vez mais constante desses nossos preciosos amigos em consultórios terapêuticos. O contato do animal com o paciente é o fio condutor da terapia. A forma como eles irão interagir e se envolver durante as sessões, efetivará um laço de amizade e, a partir disso, uma possível cura. O animal pode produzir diversas melhoras cognitivas, afetivas, emocionais e comportamentais. Nesse tipo de terapia se trabalha a confiança e já foram diagnosticados diversos casos de cura de depressão.

É isso aí ... nada melhor do que respeitarmos os nossos melhores e naturais amigos!


É psicanalista e escritora e teatróloga. Em seus livros, o foco de estudo é o comportamento humano e o amor patológico. Tem em seu currículo várias peças escritas e encenadas nos teatros de São Paulo, além de ter concorrido ao prêmio Shell de melhor texto teatral com Os Viúvos – Teatro Ruth Escobar (2003). Como escritora, em 1998, ganhou um concurso com o conto O silêncio da raposa. Eles são o resultado de uma pesquisa de três anos: Hades – Homens que amam demais e As escravas de Eros.
person Nuno Cobra
event 01 jan, 2016

O que você achou do novo Vya Estelar?