imagem de capa

Vya Estelar Responde

Fala Leitor

Como criar coragem para me separar?

Tomar uma decisão de forma consciente requer uma reflexão muito profunda sobre o antes e o depois

06 set, 2019

E-mail enviado por uma leitora: 

“Estou querendo me separar há muito tempo. Várias vezes eu tentei e acabei voltando atrás por falta de coragem de continuar. A nossa relação se desgastou muito de um tempo pra cá. Temos três filhos, talvez seja esse também mais um motivo. Eu não quero mais, não aguento mais.”

Resposta: A distância que separa pensamento e ação muitas vezes é bem longa... Querer nem sempre é poder. Muitas vezes a passagem do pensamento para a ação envolve riscos que as pessoas não estão dispostas a encarar.

Você menciona apenas seus três filhos como algo que a segura ao casamento. Diz que já tentou terminar a relação, mas voltou atrás. O que te fez voltar? Essa, talvez, seja a primeira questão a ser colocada. Só os filhos mesmo? Ou poderíamos acrescentar aspectos como a questão do seu sustento, a vergonha do fracasso da relação, o medo da responsabilidade de tocar sua vida sozinha? Você ainda gosta de alguma coisa em seu marido? Ou o afeto todo se foi com as brigas e discussões?

Lembre-se que tomar uma decisão de forma consciente requer uma reflexão muito profunda sobre o antes e o depois. Assim, tente avaliar mais a fundo o que você ganha e o que você perde optando por separar-se. Evite fechar a questão transferindo o motivo para os filhos. Se você se separar, é bom que o faça por motivos seus, não de terceiros.

O que se pode esperar de um relacionamento depois de longa convivência? 

Faça uma reflexão profunda sobre o que se pode esperar de um relacionamento depois de tanto tempo de convívio. Muitas pessoas brigam com seus parceiros apenas porque eles não correspondem à fantasia que criaram em suas cabeças! Sim, em qualquer parceria as individualidades continuam existindo e o parceiro não pode ser olhado apenas como um provedor dos desejos românticos do cônjuge. Ele, o cônjuge, tem seus próprios desejos e fantasias; tem seus próprios objetivos também! Assim, tente entender se as brigas que vocês têm giram em torno de algo que realmente pode ser resolvido através do bom senso ou se se perpetuam por fantasias individuais que jamais serão realizadas através do casamento.

Seja o atual, seja qualquer outro que você venha a ter no futuro. Afinal, de que serve separar-se para casar novamente com alguém que vai continuar frustrando suas aspirações? Se este for o caso, talvez o melhor seja separar-se para ficar sozinha e ter a oportunidade de você mesma tentar ser a provedora da vida ideal que você gostaria de ter.

Um casamento tem que ser entendido a fundo para que dê certo. Pergunte-se para que quis casar. Para ter filhos? Já teve. Para ver como é viver com alguém que escolheu? Já viu. De agora em diante o casamento tem que ter algum significado para você. Mesmo que o significado seja algo simples e objetivo como “para me ajudar com as despesas e isso ele faz ou “para que eu não fique sozinha à noite e isso ele me proporciona”.

Assuma suas necessidades e tome suas decisões baseado nelas. De nada adianta concluir reflexões com um “porque quero ser amada”, se você não olha para o que significa “ser amada”. Ninguém é amado sem que faça algo para isso acontecer, ou pelo menos para que o amor perdure.

Assim, tente entender qual a troca que acontece no seu relacionamento; se existe um equilíbrio entre o que você dá e o que recebe. Enfim, tente encarar o relacionamento como um plano a dois que deve satisfazer a ambos os envolvidos. E prepare-se para frustrações ou concessões. O único lugar onde seus sonhos românticos podem ser totalmente realizados é na sua fantasia.

Atenção!
Este texto não substitui uma consulta ou acompanhamento de um psicólogo e não se caracteriza como sendo um atendimento.


É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data. É coach em saúde mental.


Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor(a), ainda mais pertinho de nós. A psicóloga Anette Lewin responderá perguntas enviadas por você sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Esta resposta possui dois formatos:

1º formato: responder as perguntas enviadas por você;

2º) formato: extrair uma palavra em específico de uma pergunta que você enviou (ex: traição). E partir desta palavra, revelar o significado do que sentimos ao nos relacionar. Seu nome e e-mail serão preservados.

Existe reciprocidade no seu relacionamento amoroso?