imagem de capa

Saúde e Bem-estar

Saúde e Drogas

Meu filho está se tornando alcoólatra de fim de semana. O que fazer?

Bom relacionamento familiar ajuda na prevenção de consumo inadequado

01 jan, 2016

por Danilo Baltieri

"Meu filho de 18 anos não tem mais interesse pelos estudos e já está virando alcoólatra de final de semana. Sempre foi bom aluno, diz que vai fazer medicina, mas abandonou os estudos no momento."

Resposta: Nesta idade, comumente, os jovens não se importam com o que os pais pensam sobre o seu consumo de bebidas alcoólicas. Frequentemente, eles são influenciados pela publicidade que associa o consumo de bebidas com o prazer e com o sucesso, pela necessidade de afirmação diante de um grupo e pela própria pressão do grupo.

Não tenha medo de conversar com o filho, demonstrando claramente as suas preocupações quanto ao uso inadequado de álcool. Durante essas conversas, tenha a certeza de que ele ouve você e de que você também o está ouvindo.

Aponte as consequências nocivas que esse consumo está provocando na vida dele e na dos demais membros da família. Evite conflitos durante essas conversas; isso somente vai piorar a situação.

O uso nocivo de álcool é um problema que precisa ser abordado e encarado de forma objetiva. Mantenha o “espírito aberto” para ouvi-lo e o “vínculo” para que ele se sinta seguro ao falar sobre os problemas.

O bom relacionamento com a família é um dos principais fatores para a prevenção do consumo inadequado de bebidas.

Tenha em mente os seguintes aspectos:

a) O uso nocivo de álcool é um problema que pode estar relacionado com muitos outros pelos quais o usuário está passando. É fato que uma grande porcentagem das pessoas que usam inadequadamente o álcool enfrenta outros problemas psiquiátricos, como quadros depressivos e ansiosos. Isso deve ser investigado e adequadamente tratado por médico psiquiatra;

b) Se as provas do consumo inadequado forem evidentes, o familiar deve propor ao jovem a procura de um psiquiatra, baseando-se nesses fatos;

c) Mostrar o quanto determinados comportamentos assumidos pelo usuário estão lhe provocando prejuízos, sem necessariamente relacioná-los ao consumo do álcool, pode melhor motivar o jovem a procurar ajuda especializada. Por exemplo, você poderia dizer ao seu filho que ele tem estado mais desanimado (por exemplo, por não querer mais estudar) e que isso pode estar relacionado com algum problema de saúde, sem atribuir este “desânimo” ao consumo de álcool ou outras drogas;

d) Se os familiares fingirem que tudo está bem, fornecerem dinheiro para o usuário ou pedirem para que ele beba em casa para correr menos riscos do que na rua, devem estar cientes de que estas condutas reforçarão a manutenção e piora do padrão de consumo.


Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.


Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor(a), ainda mais pertinho de nós. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá perguntas enviadas por você sobre dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e publicados de acordo com critério editorial do Vya Estelar. Seu nome e e-mail não serão divulgados.

O que você achou do novo Vya Estelar?