DESTAQUES

Sou católica e a família de meu marido é evangélica. Isto me traz muito sofrimento.

Blenda de Oliveira 01/01/2016 PSICOLOGIA
Questões relacionadas à opção religiosa são quase sempre incompatíveis...

por Blenda de Oliveira

"Tenho passado por grande tortura e sofrimento. Tenho quatro anos de casada. Sou católica e toda a família de meu marido é evangélica. Meu esposo agora passa imagem de certinho é quer que eu me submeta aos costumes da família dele, inclusive, frequentando os cultos. Não aguento mais... Estou até pensando se seria o caso de em me separar. Não aguento o jeito certinho da família dele. Não sei o que fazer."

Resposta: Posso imaginar como deve estar sendo desafiador viver o que tem vivido.

Questões relacionadas à opção religiosa são quase sempre incompatíveis de serem administradas sem conflito. O casal necessita estar bastante afinado para conseguir aprender a respeitar a opção que cada um decidiu fazer em relação à religião. Muitas vezes a escolha de uma orientação religiosa está carregada de crenças, valores, família de origem que, bem ou mal, conscientemente ou não, cobra dos seus filhos a lealdade de seguir o que por eles foi escolhido. Além dessas motivações há outras que são pessoais, quase sempre associadas às necessidades de segurança, de afirmação e de negar as grandes responsabilidades de se assumir como humano e falho.

Saiba como refletir sobre o problema

Pergunto-lhe se em algum momento você e seu marido conseguiram conversar de forma mais aberta. O objetivo não é atacar ou diminuir a orientação religiosa de cada um, mas encontrar os caminhos para o respeito das diferenças, sem que elas levem a condições de desigualdade. Ele tem o direito de seguir o caminho que optou, mas você tem igualmente a mesma liberdade para decidir quanto e como gostaria de participar ou não. Este é um tópico da conversa de vocês que tem relação com as opções em si.

Outro aspecto que deve fazer parte da conversa de vocês, é sobre a necessidade que vocês como casal tem para cultivar maior privacidade e maturidade. Por algum motivo, seu marido precisa cumprir os acordos familiares de dar continuidade à ilusão que sua família, e ele, são "perfeitos" e "corretos". Sabemos que ninguém é e nem será! Quanto maior a busca da suposta perfeição, maior a insegurança!

Se não for possível conversarem juntos, procurem uma aconselhamento de casal para que consigam, com alguma intermediação, pensar em alternativas. Decidir por uma separação deveria ser uma decisão tomada com calma e depois de exaurida as possibilidades. Boa Sorte!

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga e psicanalista Blenda de Oliveira responderá dúvidas e perguntas sobre conflitos familiares e entre pais e filhos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Blenda de Oliveira

Doutora em psicologia clínica pela PUC-SP. Psicanalista pela Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP). Psicoterapeuta de adultos, adolescentes, crianças, famílias e casais. Atuante como Life Coaching em diversas áreas, utilizando essa metodologia para colaborar nos processos de sucessão familiar nas empresas.



ENQUETE

Como você vem cultivando suas relações?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.