imagem de capa

Tontura desencadada por estresse pode ser confundida com labirintite

Sintomas de labirintite: náusea, zumbido no ouvido, perda de audição e vertigem

Da Redação

Má alimentação, vida agitada e noites maldormidas podem afetar pessoas com pré-disposição à labirintite.

As preocupações do dia a dia podem gerar muito mais que uma leve dor de estômago. Em pessoas com pré-disposição, as situações de estresse bem como a alimentação inadequada, podem resultar na irritação do labirinto, órgão localizado na região interna do ouvido, levando ao sintoma de tontura ou sensação de insegurança ao caminhar.

O neurologista Marco Aurélio Santos Macedo confirma a influência do estresse no desencadeamento da sensação de tontura o que muitas vezes confunde com o diagnóstico de labirintite.

"O termo labirintite é utilizado popularmente para designar apenas uma tontura, mas quando o diagnóstico é realmente de irritação primária do labirinto, a patologia apresenta outros sintomas", conta o especialista.

Sintomas

A doença é acompanhada de náusea, zumbido no ouvido, perda de audição e vertigem.

"O estresse pode ocasionar sensação de insegurança e tontura, o que, em um primeiro momento, pode ser confundido com labirintite", diz o neurologista. Algumas vezes, os portadores da doença podem sofrer perda de equilíbrio, com quedas e perdas parciais ou totais da consciência por breve período. Problemas de infecções de ouvido, traumas de pescoço ou cabeça e intoxicações por medicamentos ou algumas substâncias como o álcool, também podem desencadear ou piorar o quadro.

O diagnóstico da labirintite é inicialmente dado pelo histórico do paciente e por meio de exames clínicos que verificam, principalmente, o equilíbrio e a coordenação motora, bem como a audição. Posteriormente, o paciente é submetido a exames laboratoriais, sendo o otoneurológico um dos mais importantes. Em alguns casos, para o diagnóstico mais preciso, especialistas solicitam também tomografias e eletroencefalograma.

"A recuperação do paciente de uma crise de labirintite aguda pode levar de uma a seis semanas, porém não é incomum que sintomas residuais (desequilíbrio e tontura) permaneçam por muitos meses ou até anos", acrescenta o neurologista.

O tratamento da doença deve ser acompanhado por um especialista que avaliará as melhores opções terapêuticas para cada paciente. "Na maioria dos casos, os neurologistas optam por medicamentos inibidores do labirinto", comenta. Pacientes de labirintite devem, além do tratamento medicamentoso, receber orientações quanto à dieta adequada evitando certos alimentos (como por exemplo: café, dietas hipercalóricas e álcool) e evitar situações de estresse, bem como dormir bem.


Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.

O que você achou do novo Vya Estelar?