imagem de capa

Saúde e Bem-estar

Saúde e Drogas

Alivie a ansiedade causada pelo excesso de informação

Ser seletivo nas demandas do dia a dia diminui ansiedade

por Elisandra Vilella G. Sé

A velocidade na mudança da rotina diária, cobranças em casa e no trabalho, poucas horas de sono, alimentação sem hora certa e tempo escasso para cuidar de si... fazem parte de demandas da vida moderna. E isso afeta todas as idades.

Uma rotina diária mal conduzida pode se transformar num grande problema de saúde física e mental. Especialistas alertam para se atentar aos sinais físicos e psíquicos, pois depressão, hipertensão, obesidade, sedentarismo, estresse, tabagismo e noites maldormidas são importantes fatores de risco para várias doenças.

Pesquisas mostram que 70% da população brasileira sente-se estressada e 40% se considera com alto nível de estresse.

Principais causas do estresse:

- competitividade;

- reinserção no mercado de trabalho;

- viagens a trabalho;

- excesso de informação e projetos;

- relações sociais;

- falta de tempo para conciliar várias tarefas durante o dia.

Os idosos também experimentam esse ritmo acelerado, tendo que lidar com solicitação de memória no desempenho de tarefas operacionais e tomadas de decisões, mesmo estando aposentado.

Em consequência, alguns passam a ter dificuldades para dormir, porque acreditam que se pararem para descansar, estarão perdendo algo.

Todos nós somos bombardeados por informações de todos os lados. Para se ter uma ideia, até junho de 2011, a internet contava com 345 milhões de websites – 200 são redes sociais conhecidas. Sem contar ainda os estímulos que não podemos contabilizar como é o caso da poluição sonora.

Um estudo realizado pela psicóloga Greenfield na Universidade da Califórnia, mostra que o excesso de informação é tamanho que não temos capacidade de armazená-la.

Na pesquisa, testes sobre um mesmo assunto foram aplicados em pessoas jovens e idosos logo após a leitura de um texto impresso e após a leitura do mesmo conteúdo em um site. Os resultados indicaram que pessoas que leram o texto impresso tiveram maior compreensão do que aquelas que apenas utilizaram a internet. E não teve diferença de idade. Isso significa que a forma de absorção de conteúdo mais linear, sem tantos links e estímulos visuais, nos ajuda a disciplinar o foco na atividade, diminui a distração e melhora a compreensão do conteúdo.

Aliás, sabemos que nem sempre a quantidade exagerada de informação e a realização de atividades simultâneas nos leva a tomar as melhores decisões. Precisamos de estímulos para manter a vida e a mente ativa, mas de forma adequada e na dosagem certa.

Segundo especialistas, informações que respeitem etapas ajudam a desenvolver áreas do cérebro e o seu exagero pode levar à  ansiedade. Por isso, é preciso se preservar, sendo seletivo nas informações e demandas do dia a dia para diminuir a ansiedade.

Dia a dia: 11 dicas para aliviar ansiedade causada pelo excesso de informação e afazeres

1ª) Organize-se para checar e responder seus e-mails apenas uma ou duas horas por dia;

2ª) Nos afazeres domésticos e de trabalho comece pela atividade mais difícil;

3ª) Se tiver um prazo para enviar relatórios, documentos, concentre-se nessa tarefa;

4ª) Não entre toda hora nas redes sociais;

5ª) No momento de descanso e relaxamento, ouça uma música calma e esqueça o computador e o celular;

6ª) No momento de estudo, concentre-se nos pontos mais importantes;

7ª) Exercícios físicos são recomendados, desde que sejam prazerosos;

8ª) Saia um pouco da rotina nos finais de semana;

9ª) Procure perceber os sinais do seu corpo e o momento em que ele requer um recolhimento, diminua a agitação e o gasto excessivo de energia vital;

10ª) Lance mão de automassagens e técnicas de respiração;

11ª) Busque mais qualidade de vida e bem-estar para ter uma vida mais saudável e boa longevidade.


Fonaoudióloga pela Faculdade Tereza D'Ávila de Lorena (FATEA/USC) (1995), Mestre em Gerontologia pela Faculdade de Educação da UNICAMP (2003); Doutorado em Linguística - Área de Neurolinguística pelo Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP (2011); Especialista em Educação em Saúde para Preceptores do SUS pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês (2013); foi pesquisadora visitante na Associação Alzheiemr Portugal em Lisboa (2013); Coordenadora da ABRAZ - Associação Brasileira de Alzheimer - sub-regional Campinas e Jaguariúna.

O que você achou do novo Vya Estelar?