imagem de capa

Autoconhecimento

Minhas Atitudes

Mente trabalha contra ela mesma

Olhar para o passado é uma das principais causas da mente negativa

01 jan, 2016

por Rosemeire Zago

Muitas vezes queremos muito algo: a volta do ser amado, reconhecimento de um trabalho, um novo trabalho, concluir projetos, fazer algo inédito, separar-se de quem nos faz sofrer, ganhar mais dinheiro...

Mas antes de lutarmos um pouco mais por aquilo que acreditamos, já pensamos em desistir. Podemos nem começar o que desejamos ou não sentimos mais a mesma vontade de quando começamos e, sem analisarmos muito os reais motivos, não queremos mais prosseguir naquilo que um dia acreditamos.

Mas será que estamos apenas desistindo por não querermos mais, ou por não nos sentirmos capazes nem merecedores de conseguir? Outras vezes, estamos tão contaminados pelas experiências passadas que não deram certo e, logo no início, já pensamos que dessa vez também não dará e perdemos a esperança. Não conseguimos acreditar que o resultado poderá ser diferente.

Você já percebeu que estamos sempre esperando o pior, por mais que desejemos o contrário? Começamos um novo relacionamento e se o anterior nos causou alguma dor, decepção, traição, já entramos pensando que o atual terá o mesmo trágico fim.

Desejamos um novo trabalho, mas antes de procurá-lo, pensamos em todos os possíveis obstáculos e nos acomodamos no atual, mesmo que a insatisfação continue. Constantemente ignoramos nossos desejos mais profundos, e ficamos apenas relembrando de todas as vezes que tentamos e não deu certo.

Trabalho negativo da mente

Como podemos atingir um objetivo se nós mesmos não nos consideramos capazes ou merecedores de conseguir? Assim, nossa mente trabalha contra ela mesma, mantendo padrões e pensamentos negativos que com certeza irão refletir em tudo que fizermos.

Infinitas vezes nos tornamos nossos piores inimigos, mas só damos atenção aos que estão contra nós, sequer paramos para pensar ou admitimos que muitas vezes, somos nós mesmos que nos boicotamos e não os outros. Quando algo que vem de fora tenta nos prejudicar ou atingir, temos muitos recursos para nos proteger, podemos ignorar, fechar nossos ouvidos e nossos olhos, e seguir adiante, mas quando nós mesmos estamos contra nós, com certeza é hora de parar e pensar nos motivos pelo qual estamos agindo assim.

Por que está tão difícil começar ou continuar a lutar por aquilo que te fará bem e mais feliz? Por que quando entramos num caminho, durante o trajeto, não queremos mais prosseguir naquilo que um dia acreditamos? Pode ser que seja muito mais simples e confortável se manter num relacionamento destrutivo, do que fazer algo para que ele se torne saudável.

Ou ainda, pode ser muito mais fácil continuar sozinho, do que dar uma chance para si mesmo ao começar outro relacionamento. Tudo em nome do comodismo, do conforto inicial, do medo do novo, mas já pensou em longo prazo, como ficará?

Desistir é renunciar. Como renunciar a algo que possa te fazer feliz? Se estiver perdendo o interesse em fazer algo por você, talvez seja o momento de procurar o que está errado. Está sentindo uma tristeza profunda e constante, sem causa aparente? Desconfie. Ninguém fica triste sem motivo. Toda tristeza tem uma causa, que pode estar sendo provocada por alguma situação insatisfatória que esteja vivendo.

Da mesma maneira, se estiver constantemente irritado, cansado, sem energia para nada, algum motivo deve haver. E quanto mais você adiar para se confrontar com a causa de sua dor, mais estará adiando sua capacidade em superar e ficar bem.

Enquanto ficar estagnado, parado, mantendo os mesmos padrões de pensamentos e comportamentos, nada acontecerá e não sairá do lugar, mantendo apenas o papel de vítima, acreditando que tudo de ruim acontece com você, que não é capaz de conseguir nada e que nenhum esforço seu irá adiantar. Tudo isso é mentira! E que por algum motivo um dia você acreditou.

Será que em sua infância não acontecia exatamente a mesma coisa? Toda vez que iniciava algo, diziam que não conseguiria ou duvidavam, e você desistia? Quando contava o quanto estava feliz por algo que estava fazendo ou havia conseguido, alguém conseguia estourar sua bolha de felicidade, desprezando aquilo que acreditava? Será que quando contava algo que queria muito fazer, não vinha alguém e o fazia acreditar que não daria certo? Se isso acontecia, é bem provável que não tenha desenvolvido a confiança naquilo que é capaz de fazer e conseguir, passou a confiar nos outros, na opinião deles, mas nunca em você!

Quando sentir que está perdendo a vontade de ir adiante, seja no que for, e pensar em desistir, pare um pouco e pense o que pode estar consumindo sua energia, sua capacidade em acreditar que seja capaz. Pense nas prováveis causas que faz com que não acredite em si mesmo.

Sim, talvez o caminho não seja tão fácil quanto permanecer naquele que já conhece, mas se não está feliz, satisfeito, seja com sua companheira, seja em seu trabalho, ou alguma situação, por que não escolher um outro caminho que te possibilite fazer diferente?

Ao querer desistir de algo que esteja começando, lembre-se do seu objetivo inicial, pois muitas vezes no meio do caminho esquecemos o motivo que nos fez optar por esse mesmo caminho. Solte o passado triste e toda a dor que ele te traz, permita-se não repetir os mesmos padrões anteriores. Isso apenas consome sua energia e não permite que modifique seu momento presente ou crie um futuro de conquistas.

Com certeza, se persistir, contornando os obstáculos à medida em que forem surgindo, se libertará do que te faz sofrer, irá perceber que você será capaz de conseguir tudo aquilo em que você acredita!

Comece com pequenas coisas do dia-a-dia, ouça mais sua própria voz, ouça mais seu coração, ignore as cobranças externas, e acredite que se você quer, você consegue, seja o que for.

Vamos, respire fundo, levante a cabeça, olhe para trás apenas para aprender o que não deve ser feito mais, aprenda com cada erro cometido, acredite que é possível fazer diferente e assim, o resultado também será diferente. Só não pare, não se acomode, não se contente com algumas situações, apenas por serem conhecidas e trazerem algumas vantagens secundárias. Saia de sua zona de conforto.

Acredite que você merece o melhor, que o novo pode lhe trazer novas experiências, e que recomeçar não é vergonha, mas sim coragem. Coragem em escolher o caminho que lhe fará feliz, que não lhe trará doenças, mas equilíbrio e confiança para seguir adiante, ainda que possa sentir medo, vá em frente, não permita que o medo o paralise, ou que alguém o impeça de seguir o caminho que seu coração, e somente o seu, escolher!


Psicóloga com abordagem junguiana com especialização em psicossomática. Desenvolve uma abordagem voltada para o autoconhecimento e criança interior.

O que você achou do novo Vya Estelar?