imagem de capa

Trabalho, filhos, casa, marido... Como fica o tempo?

O tempo nos pertence e o negociamos e administramos

por Valéria Meirelles

A escassez de tempo é um problema que atinge muitas mulheres atualmente, principalmente as que vivem nos grandes centros urbanos. O tempo, ou melhor, a falta dele, tornou-se uma aflição constante, principalmente para quem trabalha em período integral e tem uma carreira. Afinal, são tantos os papéis - profissional, mãe, esposa, namorada, dona de casa, filha, amiga, aluna, esportista, entre outros - que o cotidiano está se tornando muito desgastante, a ponto de 24 horas serem insuficientes para tantas demandas.

Existe uma grande diferença entre o tempo medido (o do relógio) e o tempo vivido. Todas nós temos o mesmo dia de 24 horas, porém nem sempre o vivemos de acordo com as nossas necessidades. Muitas tecnologias foram criadas para pouparem o tempo, desde a Internet até produtos que facilitam o preparo dos alimentos. Mas, contraditoriamente são essas tecnologias que nos colocam sob uma avalanche de informações, e muitas vezes não há tempo para processá-las.

O tempo passa e a exigente mulher atual fica com a desconfortável sensação de que nem tudo está sendo realizado a contento. Chega a se sentir pressionada e até incompetente, afinal, o tempo tornou-se escasso para ficar mais perto dos filhos, namorar, sair com amigos, fazer aquele curso que tanto deseja, ginástica, médico, supermercado, fazer as unhas, ler uma revista, um livro ou simplesmente relaxar.

As consequências da falta de tempo

Em primeiro lugar, a auto-estima começa a sofrer "arranhões", pois a mulher começa a duvidar de sua competência. Sinais de estresse começam a aparecer: irritabilidade, impaciência, insônia ou muito sono, dores de cabeça, perda de apetite, diminuição do desejo sexual, tristeza e até algumas doenças de origem emocional. Pode aparecer também uma desmotivação pela vida, identificada popularmente como "falta de pique".

Causas da falta de tempo

Várias são as causas da falta de tempo na vida da mulher moderna. A expansão de papéis que ela viveu a partir do momento em que entrou no mercado de trabalho é uma delas. Antes, o papel da mulher se restringia aos de esposa, mãe e dona de casa. Essa mudança hoje custa à mulher algumas horas de sono e impacta na qualidade de sua própria vida e de sua família.

A sociedade e os governos também têm sua responsabilidade nesse problema. Há poucas creches e uma pequena rede institucional de apoio à mulher que precisa trabalhar e tem filho. Ainda é pequeno o número de empresas que oferecem aos funcionários horários mais flexíveis, creches e outras políticas para facilitar a maternidade sem perder a produtividade e o compromisso social.

Essa é uma questão tão séria, que países da Europa e os Estados Unidos já se preocupam com a falta de tempo interferindo na vida privada das pessoas, na qualidade de suas relações e no cuidado com suas famílias.

Como mudar?

Em primeiro lugar, tire a roupa de Mulher Maravilha que infelizmente muitas mulheres vestem com orgulho. A partir daí, divida suas responsabilidades com o marido para olhar os filhos, buscá-los na escola, estudar juntos e fazer supermercado. Não esqueça que vivemos num mundo em processo de mudança acelerado e temos a possibilidade de escolher entre diversos modos de vida, bem diferentes da antiga ordem social tradicional, aquela na qual viveram nossas mães e avós.

Também é importante uma negociação com o chefe a respeito de alguns horários, buscando um pouco de autonomia - ainda que isso pareça irreal no mercado competitivo de hoje.

Se tudo isso for difícil, sugiro uma reflexão muito séria, sobre os valores em que cada uma de vocês baseia sua vida, principalmente numa época de tanto consumo material. Pense na qualidade de vida que tem se proporcionado nos últimos tempos. Está compatível com seus desejos? Se a resposta for negativa, posso dizer que está na hora de abrir mais espaço para você mesma e fechar outros que possam ser dispensados ou, principalmente, partilhados.

Tente encontrar no cotidiano um tempo para cinco minutos a mais de sono, para um banho relaxante, ou passar no corpo aquele creme que ganhou no Natal e ainda não usou. Há quanto tempo não tem uma conversa descontraída com uma amiga, mesmo que por telefone? Há quanto tempo não namora com tranqüilidade, ou não passa a tarde com seu filho brincando descompromissadamente, sem olhar para o relógio ou notebook?

O tempo nos pertence

O tempo nos pertence e o negociamos e administramos de acordo com nossas necessidades - as quais nem sempre representam nossos desejos.

Diz um ditado popular que "Quem não tem tempo, não tem vida" ou tem, mas mal administrada. Portanto, reflita sobre o que é realmente importante, focando o seu bem-estar e celebrando a vida.

Convido vocês a pensarem no sentido de suas vidas e em como querem ser e estar no presente e no futuro. Convido-as a resgatar algum sonho adormecido. Lembrem que a felicidade pessoal envolve o trabalho e a carreira, mas também advém do pertencimento social, aquele que é produto de um investimento na rede familiar e de amigos. Desejo a vocês um tempo de muita qualidade!


Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.

O que você achou do novo Vya Estelar?