imagem de capa

Comportamento

Relacionamentos

Sentimento de posse também pode rolar numa amizade?

por Eduardo Yabusaki

"Seu amigo reclama de sua atitude de posse e controle e se sente vigiado? E isso a faz se sentir culpada? Saiba como lidar..."

Nesses tempos em que as pessoas querem preservar sua individualidade e privacidade, até mesmo uma intensa amizade, se não bem conduzida, pode levar ao estresse, desgaste e mesmo ao rompimento.

É da natureza humana se envolver de forma profunda quando há uma correspondência afetiva e emocional, mesmo que essa relação seja só de amizade e por vezes acabamos, sem perceber, exacerbando no envolvimento e nas tentativas de interferência na vida alheia. Isso pode ser confundido com posse e não com atenção, cuidado ou consideração.

Mesmo numa forte amizade, construída através de seu nível importância e ao longo do tempo, é preciso que tenhamos sempre o cuidado de não exagerarmos, caso contrário, poderemos nos tornar inoportunos ou mesmo desagradáveis. Para tanto, é preciso que se esteja atento aos limites do outro, e não àquilo que supomos ser o desejo e expectativa dele.

Vínculos de amizade são sempre importantes em nossas vidas. Afinal, além de podermos contar com um ombro amigo nas dificuldades, é também com quem podemos compartilhar nossas conquistas, alegrias e sucesso.
Entretanto, é importante que tenhamos bom senso para perceber se não estamos indo além... É importante que tenhamos intimidade, porém sem que sejamos invasivos e a linha entre uma coisa e outra é tênue e, por vezes, difícil de ser observada.

Grande amizade: cuidados para não invadir o espaço do outro

Numa relação de amizade, seja de longa data e/ou intensa, é importante que tenhamos alguns cuidados:

1. Lembre-se que nem sempre a expectativa do outro é igual a sua, observe as demonstrações de seu amigo e respeite-as.

2. Limites devem ser sempre estabelecidos de forma clara para que não gerem conflitos ou problemas, caso eles não se estabeleçam, é importante falar sobre eles de forma clara.

3. A forma de convivência com amigos é casual, eventual, esporádica, constante, descontraída... não existe regra, mas um bom termômetro é que seja agradável e positiva.

4. Não há a obrigação e sim a disposição e disponibilidade, ou seja, posso ter disposição e não ter tempo ou posso ter tempo, mas não ter disposição; se acontecer de encontrar será ótimo, mas se não acontecer, também tudo bem.

5. É importante não nutrir mágoas por um desencontro ou desentendimento, pois isso provocará ressentimentos que podem corroer a amizade e causar um distanciamento inexplicável.

Curta sua amizade e não deixe de manifestar suas emoções! Viva e seja feliz sempre!

 


Eduardo Yabusaki - Psicólogo e Sexólogo Especializado em Terapia Comportamental Cognitiva, Terapia de Casal e Terapia Sexual. Coordenador do Curso de Sexologia Clínica ministrado em diferentes cidades há mais de 15 anos. Docente convidado do Curso de Fromação em Sexologia Clínica de BH. Responsável pelo www.vidadecasalbh.com.br
event 25 set, 2018

O que você achou do novo Vya Estelar?