imagem de capa

Autoconhecimento

Minhas Atitudes

Filme ‘Um Homem Chamado Ove’ ensina a cultivar empatia por pessoas difíceis

Película sueca mescla doçura e amargor, humor e drama com notável precisão

por Regina Wielenska

Imagine um homem ranzinza, chato, metódico, obsessivo pela ordem e seguimento de regras, que fala na lata o que estiver pensando, pouco interessado em agradar e manter contato social com as pessoas. Funcionário responsável, viúvo, sem filhos, praticamente só possuía colegas de trabalho, um homem de 57 anos e sem amigos.
Dele você gostaria de manter distância, certo? Pois é. Esse é Ove, o protagonista do filme "Um Homem Chamado Ove", Direção: Hannes Holm (http://www.imdb.com/title/tt4080728/ ).

Se você odeia spoilers, melhor não ler minha singela coluna de hoje, porque, para abordar o que desejo enfatizar, farei menção a alguns aspectos do filme. Pois é, a existência de Ove é tão amarga que o suicídio lhe parece a melhor alternativa, ele queria muito reencontrar no além sua amada esposa, falecida de câncer seis meses antes.

O filme sueco é estupendo, mescla doçura e amargor, humor e drama com notável precisão. Pude rir enquanto chorava, e várias vezes. Eu o recomendo fortemente, como um exercício para favorecer o desenvolvimento da empatia. Ao longo da trama nos apaixonamos por Ove, torcemos por ele, sofremos com ele. O interessante é ter acesso aos importantes aspectos da história de vida: sua orfandade, aos quatro e dezoito anos, as limitadas habilidades sociais do pai (não tenho certeza, mas talvez Ove fosse filho de um indivíduo portador de um quadro leve do espectro autista). Some a tudo isso as admiráveis características emocionais e intelectuais da belíssima esposa. Muitos outros fatores nos levarão a entender esse homem, e logo estamos apaixonados por ele, lhe desejando um destino de doçura e amor.

Ao longo do filme vamos descobrindo as formas de fragmentar a rigidez amarga de Ove. Perseverança, fé na vida, pragmatismo, cordialidade obstinada, necessidades básicas não preenchidas, esses são alguns dos fatores que levaram o protagonista a um outro patamar de vida, e nele sentimos amor, solidariedade, objetivos partilhados, Ove e tudo ao seu redor floresceu. Não quero desvendar na minha pequena coluna como o milagre se processou, mas tudo começa com a energia de uma mulher brutalmente resiliente, tal como a esposa de Ove.

Eu aposto nos poderes da arte, torço para que Ove e sua história comovente ajudem cada um de nós a desenvolver tolerância para com os que pareçam amargos, rígidos, difíceis no trato diário.

Na verdade, algumas dessas pessoas só precisam de boas doses de amor, valorização e escuta atenta.  Conhecer a história de vida de alguém nos auxilia a construir um melhor entendimento, passamos a aceitar o outro, um milagre que surge pelas vias da bondade e da justiça.


É psicoterapeuta na abordagem analítico-comportamental na cidade de São Paulo. Graduada em Psicologia pela PUC-SP em 1981, é Mestre e Doutora em Psicologia Experimental pela IP-USP. Atua como terapeuta e supervisora clínica, é também professora-convidada em cursos de Especialização e Aprimoramento. Publicou dezenas de artigos científicos, e de divulgação científica, além de ser coautora de livros infanto-juvenis.

O que você achou do novo Vya Estelar?