DESTAQUES

Nos acostumamos à violência?

Karina Simões 16/08/2017 COMPORTAMENTO
Nos acostumamos à violência?
Fonte: imagem Pixabay
Banalização: certas violências ganham tons de normalidade

por Karina Simões

Vivemos num tempo de insegurança e isto aumenta e alimenta a nossa "neurose" quanto à possibilidade de revivermos situações que deixaram marcas profundas.

O medo ganha espaço entre nós. Lá fora, leem-se e veem-se cenas de violência a cada esquina, aproximando a possibilidade de uma reedição de um trauma em *pensamentos disfuncionais que geram a ansiedade e o comprometimento à saúde.  Paradoxalmente, certas violências ganham tons de normalidade.

Lembro-me de vários atendimentos a pacientes depois de terem sido assaltados e terem perdido seus pertences. Hoje, no entanto, sabemos de pessoas, todos os dias, que contam "tranquilamente" as vezes que foram assaltadas. Será que nos acostumamos à violência? Será que já não gera um dano psicológico às pessoas?

Bem, se por um lado torna real a hipótese de violência; por outro lado, tem sido comum quase todas as pessoas passarem por essa experiência de assalto e, para alguns, isso já não gera comprometimentos psicológicos maiores. Para outros, no entanto, essa vivência de violência pode sim acarretar sintomas significativos de possíveis prejuízos psíquicos graves.

Na clínica, o exercício da ressignificação do evento traumático por técnicas de revivência de experiências e técnicas da terapia cognitiva- comportamental permite a nova organização do paciente. Pois, como mencionei acima, paradoxalmente, estamos nos deparando com pessoas que se acostumaram com a violência. Mas temos também muitos que chegam à clínica e se encontram, muitas vezes, num estado emocional bastante comprometido. Alguns já chegam com sintomas de TEPT (Transtorno de Estresse Pós-Traumático) instalado.

Instabilidade, insegurança e gatilho 

A instabilidade que vivemos hoje, bem como todo um contexto de insegurança, aguça o gatilho do Transtorno de Estresse Pós-Traumático ser instalado e desenvolver-se.

Reações emocionais como medo e revivência do trauma, **estados de humor anedônicos ou disfóricos e ***cognições negativas, lembranças intrusivas e angustiantes são frequentes em pessoas com TEPT, assim como sintomas somáticos de taquicardia, pesadelos, crises de ansiedade, medo excessivo etc.

Neste mundo, estamos sendo  levados a tornar comum o que um dia fora causa de adoecimento. Ouvimos: "Isto é um assalto. Passe-me o celular". Tranquilamente a vítima o entrega e segue seu caminho. Por vivenciarmos tanta insegurança e ocorrência, já nos acostumamos a viver no caos e não mais adoecer. Esse fenômeno do não adoecimento diante do trauma tem chamado minha atenção na prática clínica, pois o TEPT ainda existe sim, e muito! Porém, tenho centrado a atenção na versão paradoxal, em que faço um questionamento: estamos a nos acostumar com tanta violência? Em parte sim. E parece que "é o que temos pra hoje", como me dizem os jovens a quem eu atendo.

* Pensamentos disfuncionais: são pensamentos automáticos que todos temos, porém, nos acarretam prejuízos em nossa vida, pois são pensamentos negativos e autossabotadores.

** Estados de humor anedônicos ou disfóricos: é a pessoa num estado de incapacidade de sentir prazer ou de se motivar a realizar atividades que antes eram prazerosas, por exemplo. Tipo: "a vida perdeu a cor, ou o sabor".

*** Cognições negativas:  pensamentos negativos. 




TAGS :

    tept, violência, banalização, assalto, trauma, anedônicos, disfóricos

Karina Simões

Psicóloga clínica cognitivo-comportamental. Possui especialização em Psicologia da Saúde e Desenvolvimento pela UFRN. Especialização pela Faculdade de Medicina do IPHC da USP. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas - FBTC. Mais informações: www.karinasimoes.com.br



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.