DESTAQUES

Filme “Extraordinário” traz preciosa lição para as relações interpessoais

Karina Simões 20/12/2017 PSICOLOGIA
Filme “Extraordinário” traz preciosa lição para as relações interpessoais
Fonte: imagem Youtube
Sentimentos ou afetos gerenciados dentro de cada um de nós têm uma repercussão própria

por Karina Simões

Assisti recentemente a um filme “Extraordinário”, Direção: Stephen Chbosky (2017) e, como o título mesmo o rotula, não tenho outro adjetivo a compor: é mesmo extraordinário! Deparar-se primeiramente com a angústia de uma família, mas primordialmente com a angústia de uma mãe diante de um sofrimento de seu filho, é algo tão comum e frequente em meu “laboratório” clínico, como costumo chamar, ou seja, em meu consultório.

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



Já atendi a inúmeras mães com as culpas, angústias e renúncias que a personagem de Julia Roberts vive com maestria. Dava pra sentir o aperto no peito e a respiração curta ao ver as cenas onde ela se deparava com o filho em sofrimento pelo bullying vivido ou pelas conquistas diárias que o jovem Auggie vencia e vivenciava.

O filme mexe com nossas emoções e desperta nos espectadores um enorme aprendizado na forma de encarar a realidade e de se comportar em sociedade. Ensina-nos, com simplicidade, a beleza e a necessidade urgente de aprendermos a conviver num mundo plural, em que o respeito e a tolerância são necessários. É, pois, uma verdadeira lição da vida moderna.
 
A deficiência de nascença do jovem Auggie (uma deformidade facial), pode ser entendida como qualquer outro tipo de exclusão, hoje em dia, vista em nossa sociedade. Mas o mais relevante é a possibilidade da compreensão da leitura que o filme nos dá, da imensa importância do núcleo familiar acolhedor, uma vez que estão comprometidos uns com os outros. Esse fato ressalta o valor familiar na atual sociedade. Lamentavelmente, o elo familiar se encontra, em muitos lares, com rupturas diversas.
 
A lição fantástica ou “extraordinária” que tiramos é também que os sentimentos ou afetos gerenciados dentro de cada um de nós têm uma repercussão própria. Assim, levarmos em consideração a dor do outro de modo a acolhê-lo e compreendê-lo é sempre o melhor caminho a fim de que afetos positivos possam ser construídos numa geração para que essa se torne realmente extraordinária. Pois, como diz uma das falas do filme, a qual parece ser um clichê, mas a sua prática é de extrema premência: “Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil”.




TAGS :

    filme, extraordinário, bullying, escola, psicologia, filho, sofre

Karina Simões

Psicóloga clínica cognitivo-comportamental. Possui especialização em Psicologia da Saúde e Desenvolvimento pela UFRN. Especialização pela Faculdade de Medicina do IPHC da USP. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas - FBTC. Mais informações: www.karinasimoes.com.br



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.