DESTAQUES

Preferiria que tivesse morrido, ao invés de ter me traído

Tatiana Ades 31/01/2018 PSICOLOGIA
Preferiria que tivesse morrido, ao invés de ter me traído
Fonte: Google Imagens
Esta afirmação é mais comum do que se imagina

Por Tatiana Ades

Existe uma afirmação muito comum nos consultórios por parte dos traídos. Esses afirmam que prefeririam que o traidor tivesse morrido ao invés de tê-los traído.

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



O trair sugere a possibilidade de uma opção, uma escolha, logo o traído se depara com sentimentos de humilhação, baixa autoestima e rejeição.

A mente, no momento do conhecimento da traição, funciona de forma muito rápida acionando em cada um de nós uma sensação diferente.

Caso eu seja uma pessoa que deposito no outro tudo o que eu sou capaz de ter, a traição me trará um luto muito maior do que a perda da pessoa amada. (em morte). “Se ele morre, não foi opção, foi acaso, não houve a escolha, a rejeição, e isso eu posso suportar!”

No caso de uma pessoa internamente resolvida, a morte de quem se ama sugere uma dor muito maior do que a perda pela traição física. Obviamente, sentimentos ruins surgirão, mas eles não trarão a sensação de desejo de eliminação do outro.

Quando eu desejo a morte daquele que me traiu, estou inconscientemente desejando a minha própria morte. Afinal, sem a aprovação total do outro, quem eu sou de fato?

Percebam que a minha existência, dependente da do outro, não pode suportar a rejeição, mas sim a morte, mas a rejeição traz o desejo de eliminação daquele que a causou.

Pensamentos assim surgem em pessoas com identidades muito mal definidas, pessoas que buscam no parceiro uma forma mágica de cura de suas almas sofridas.

“Quando o outro me trai, ele me deixa e dessa forma eu me deparo comigo mesma e minhas imperfeições tão bem disfarçadas acabam retornado de forma assombrosa.”

É importante fazermos as seguintes perguntas a nós mesmos:

- O outro é um complemento ou um espelho meu?

- O abandono é insuportável ou apenas traz tristeza?

- Quem sou eu e quem é o outro de fato?

A fidelidade com nossa própria essência, exige uma constante observação de nós mesmos!




TAGS :

    dá, para, perdoar, traição, voltar, ser, como, antes

Tatiana Ades

É psicanalista e escritora e teatróloga. Em seus livros, o foco de estudo é o comportamento humano e o amor patológico. Tem em seu currículo várias peças escritas e encenadas nos teatros de São Paulo, além de ter concorrido ao prêmio Shell de melhor texto teatral com Os Viúvos – Teatro Ruth Escobar (2003). Como escritora, em 1998, ganhou um concurso com o conto O silêncio da raposa. Eles são o resultado de uma pesquisa de três anos: Hades – Homens que amam demais e As escravas de Eros.



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.