DESTAQUES

Falência de relação amorosa é causada por diversos fatores

Karina Simões 01/01/2016 COMPORTAMENTO
O amor sofre interferência direta do tempo

por Karina Simões

A satisfação no amor está na vivência da emoção experimentada e o amor pouco presta conta à razão.

Quando se ama, não há preocupação em saber de onde vem o amor, o que ele pretende, por que ele chegou e por que deve ficar. Simplesmente se sente.

Contudo, quando ele dá sinais de despedida, a emoção e os pensamentos mudam completamente. Nesse momento surgem milhões de teorias e explicações, por vezes baseadas na culpa, para se chegar à lógica do "desamor". Ora se atribui ao outro (a) a responsabilidade pelo fim do sentimento, ora a si própria por ter de algum modo contribuído para a falência da relação. É certo que o fim de um relacionamento amoroso terá sempre a influência de todas as partes envolvidas e nunca terá como causa um único fator.

Em meu consultório chegam constantemente situações de sofrimento onde a queixa maior é a transformação das relações amorosas que passam a ter uma dinâmica diferente daquela que um dia existiu. É comum ouvir expressões do tipo: "antes não era assim", "as coisas mudaram muito" ou "não sei o que está acontecendo".

Tudo isso leva as pessoas a desenvolverem hipóteses que vão do possível ao absurdo: "Será que ele (a) tem outra (o)?", "Será que não presto mais para ser amada (o)?", "Será que fiquei velha (o) demais para satisfazê-lo (a)?".

O fato é que tentar reduzir a uma simples equação matemática a história de um relacionamento amoroso, sem o entendimento dos muitos fatores que influenciam o amor, pode levar uma pessoa a comportamentos e emoções inadequadas; até extremistas e de muito sofrimento. Assim, vejo muitas pessoas reagirem de modo inconveniente diante de certos pensamentos (expostos acima em forma de perguntas) de que foram rejeitadas ou abandonadas.

O amor sofre interferência direta do tempo

O amor é fruto do desejo e esse sofre interferência direta do tempo. As pessoas mudam. Não mudam por que são boas ou ruins, mudam porque sofrem a influência de fatores endógenos (internos - suas crenças) e exógenos (externos - os acontecimentos), mudam por que mudam seus desejos e por isso nunca serão as mesmas.

Nesse contexto, o amor sempre virá com suas propostas de reedição. Crescer e envelhecer junto de quem se ama é muito mais que um sonho possível. Mas, quando existe o desencontro momentâneo desse propósito ou mesmo duradouro (o que também é possível), numa ou noutra situação, será necessário fazer um caminho de compreensão responsável para se ter a autonomia na decisão de como agir na busca da permanência do amor vivido ou na possibilidade de poder sair do relacionamento de um modo menos traumático e doído.

Reflexão:

- Como agir diante de um coração que reclama reciprocidade no amor?

- Até que ponto é possível ir ou aceitar em nome do amor?

- Até quando vale a pena tentar reeditar ou reinventar o amor?

- Ainda é possível esperar que as coisas mudem?

- O que pode e o que não pode mudar?

- O que devo fazer e o que não posso permitir?

Todas essas perguntas têm respostas e poderão ser conhecidas, mas não estarão escritas no singular, ao contrário, estarão grafadas na conjugação de sua complexidade e parte de uma única verdade: amar-se ... para ser possível amar a Deus e aos outros!




Karina Simões

Psicóloga clínica cognitivo-comportamental. Possui especialização em Psicologia da Saúde e Desenvolvimento pela UFRN. Especialização pela Faculdade de Medicina do IPHC da USP. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas - FBTC. Mais informações: www.karinasimoes.com.br



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.