DESTAQUES

Por que muitas mulheres estão insatisfeitas com a vida sexual?

Karina Simões 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Chave para abrir a porta para sexualidade plena é conhecer a si mesma

por Karina Simões

Para a mulher o sexo tem muito mais sentido com o vínculo emocional do que com o prazer ou clímax em si.

A intimidade afetiva resultante de se sentir conectada com o parceiro é para ela ingrediente fundamental do bom sexo.

A insatisfação sexual para as mulheres representa muito mais uma frustração e decepção, do que uma crise conjugal, como é encarada muitas vezes, por homens. Isso porque os homens consideram o sexo mais prioritário e para elas a insatisfação sexual pode ter que apenas que passar por alguns ajustes.

Podemos dividir e classificar as disfunções sexuais das mulheres em quatro categorias: dificuldades de sentir desejo; dificuldade de excitabilidade; dificuldade de atingir orgasmo e dores físicas durante a relação sexual. Vejam:

1. Transtorno do desejo sexual hipoativo

Um desejo rebaixado da atividade e do desejo sexual, em que você ficará angustiada com o sintoma. É diferente da aversão sexual, pois nesse quadro, a pessoa tem fobia a tudo relacionado ao sexo.

2. Transtorno da excitação sexual

A mulher sente desejo por sexo, mas não há respostas de lubrificação vaginal.

3. Transtorno orgásmico

Há uma dificuldade real e sofrida por não conseguir atingir o orgasmo.

4. Transtorno de dor sexual

Existem várias subcategorias, incluindo a dispareunia (dor recorrente durante as relações sexuais); vaginismo (espasmos na musculatura vaginal que impedem a entrada do pênis, causando dor e sofrimento).

Nossa cultura competitiva, manipulada por luxúria e outros surpreendentes “pecados capitais”, nos ensinou erradamente que o sexo enlouquecedor e que faz “tremer o chão” é um direito adquirido de nascença. Um erro acreditar nisso. Pois, sexo bom e bem feito é aprendido com o tempo e com uma educação sexual correta.

Lembre-se: a chave para abrir a porta para uma sexualidade plena é conhecer a si mesma. Não me refiro apenas ao corpo, mas a construção do seu ser.




Karina Simões

Psicóloga clínica cognitivo-comportamental. Possui especialização em Psicologia da Saúde e Desenvolvimento pela UFRN. Especialização pela Faculdade de Medicina do IPHC da USP. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas - FBTC. Mais informações: www.karinasimoes.com.br



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.