DESTAQUES

Obtenção de sucesso no esporte exige muito talento e sacrifício

Renato Miranda 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Atrás do sucesso: uma longa trilha de grandes exigências e sacrifícios

por Renato Miranda e Antonio Walter Sena Junior

Muito natural para jovens no início da adolescência, por volta dos 12 anos, hábeis e com certo destaque em algum esporte, desejarem, muitas vezes impulsionados pelos pais e treinadores, investir na carreira esportiva.

E a motivação principal dos pais quase sempre está influenciada pela imagem de sucesso dos atletas famosos e ricos.

E isso pode ser uma armadilha perigosa, pois atrás de cada carreira de sucesso normalmente está oculta uma longa trilha de grandes exigências e sacrifícios, como a rotina intensa de treinamentos, o desgaste físico e mental, sequências intermináveis de viagens e competições, além do isolamento social (poucas horas com os amigos).

Qualquer atleta de sucesso tem que passar por isso, normalmente a partir de 12 anos de idade. E mesmo para chegar lá, o jovem com talento tem que passar por muitas “peneiras” seletivas, que vão desde o nível local (na própria cidade) até o nível estadual, nacional e internacional. As exigências são cada vez maiores.

Podem acontecer também problemas genéticos. Por exemplo, se o jovem é revelação no volei, e espera-se que ele cresça o suficiente para ser um grande jogador. Se ele não cresce, a frustração pode ser enorme. Podem acontecer conflitos pessoais (“Será que é isso que eu quero?”) e paixões inesperadas que o(a) afastem do esporte.

A partir dos 16 anos, por exemplo, já numa seleção nacional, o jovem pode ficar meses e meses sem ver a família, grandes pressões por resultados, como pode também enfrentar lesões e árduos períodos de recuperação, que, num caso mais grave, poderão afastá-lo definitivamente do esporte. A exigência é brutal!

E o próprio aspecto financeiro pode não ser tão sedutor quanto parece! No Brasil, o futebol e o volei são os esportes que oferecem melhores salários. Mas em outras atividades como o handebol, judô e atletismo os salários podem ser até humilhantes, e com as mesmas exigências e sofrimentos dos esportes melhores remunerados.

O que fazer?

Os pais precisam ter uma consciência crítica apurada e muita clareza das reais possibilidades que os diferentes esportes podem oferecer. Com dados concretos na mão, eles podem estabelecer objetivos realistas, sem o risco de ilusões que poderão, no futuro, acarretar sofrimentos inúteis para os filhos e toda a família. 

E também não se deve esquecer que o esporte em geral é a melhor forma de formação do caráter individual. Pois a prática esportiva, além dos benefícios de saúde e bem-estar, ensina disciplina, concentração, respeito a si próprio e aos outros, além de formar adultos que irão competir pela vida com nobreza e dignidade.




Renato Miranda

Professor da Faculdade de Educação Física da UFJF; Mestre e doutor em Psicologia do Esporte (UGF); Especialista em didática e psicologia do esporte na Alemanha (Escola Superior de Esporte Alemã - Colônia) e Rússia (Instituto de Cultura Física de Moscou); Consultor de atletas em psicofisiologia (concentração, estresse. motivação e flow-feeling).



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.