DESTAQUES

Apenas um clique pode te proporcionar paz interior

Lillian Graziano 11/11/2016 PSICOLOGIA
Apenas um clique pode te proporcionar paz interior
Fonte: imagem Pixabay
Tecnologia pode te ajudar a ficar bem consigo mesmo

por Lilian Graziano

Sabe-se que a tecnologia é ao mesmo tempo vilã e mocinha dos tempos atuais. Muito de nossa percepção de que o tempo acelerou, passando mais rápido nos últimos anos, por exemplo, veio junto com as mais modernas invenções que nos permitiram realizar mais e mais coisas no dia, fazendo parecer que ele ultrapassa as 24 horas. A vilania, neste caso, acompanha o fato de que algumas delas nos colocaram plugados à rede mundial de computadores, interrompendo nosso descanso, retirando-nos do ócio que nos reintegra e faz refletir sobre a vida, restabelecer e reordenar as energias.

Por outro lado, as fronteiras nunca foram tão curtas. O ser humano tem a possibilidade de se conectar a outro muito distante fisicamente, de vivenciar experiências e emoções positivas também por meios virtuais, além das milhares de descobertas tecnológicas que auxiliam os serviços de saúde pública, a educação, dentre várias conquistas que obtivemos e que podem nos proporcionar melhor qualidade de vida e suporte social.

O movimento da Psicologia Positiva não deixou de fora a tendência, e usa a tecnologia em favor de nossa felicidade por meio de muita pesquisa e desenvolvimento (de comportamento, hardware, software… tudo que possa nos auxiliar nesse sentido).

Expoentes do movimento defendem, por exemplo, a fotografia digital como hobby e forma de promover o mindfulness (a integração ao momento) e o savoring (o saborear do momento). Outros especialistas criaram jogos e atividades que nos tiram o foco da negatividade com apenas um clique.

Diários eletrônicos de emoções positivas, de gratidão, os chamados “journals”, já bastante difundidos em modelos analógicos (cadernetas de todos os formatos e com todo o tipo de decoração), viraram apps de fácil acesso via celulares e tablets.

Games em que somos recompensados ao reconhecermos palavras positivas e recusarmos as de conotação negativa, entre outros targets que acionam igual e positivamente nosso sistema límbico (região do cérebro responsável por nosso sistema de recompensa e emoções) têm feito sucesso na rede e também têm suas versões para dispositivos mobile.

Uma rápida busca nas lojas de aplicativos para esses gadgets nos remete a uma infinidade de programas que prometem nos iniciar e manter na prática da meditação, por estímulos sonoros, visuais, interfaces quase hipnóticas, dentre outros recursos que existem, paradoxalmente, para nos colocar em contato com nossa paz interior e quietude, algo que nos aproxima de nosso bem-estar subjetivo.

Vale lembrar que, no entanto, tudo isso é como um treino mental e neurológico, que tem como objetivo nos elevar a um novo patamar na busca por uma vida mais feliz. Deve ser utilizado com essa função para produzir algum resultado que vá além do simples entretenimento. Por si não fará milagres e não transformará nossa acelerada existência em uma jornada plena e bem-vivida.

Há uma peça-chave que dá sentido a essas ferramentas eletrônicas que nos aludem a tal jornada: nós mesmos.

É o indivíduo que determina se cada uma dessas ferramentas será vilã ou mocinha dos seus dias atuais. Utilizá-las como vilãs pressupõe que as usaremos como substitutas inócuas de experiências positivas analógicas e offline, apenas nos desconectando de nosso meio social para proporcionar passatempos vazios.

Entendê-las como mocinhas, por sua vez, faz com que, em qualquer contexto, mesmo que a tecnologia em questão não seja fruto de pesquisa e desenvolvimento em Psicologia Positiva, usemos essas novidades tecnológicas em favor de nosso profundo bem-estar, indo além do prazer momentâneo e viciante dos games.

É quando qualquer Pokémon GO vira um artifício capaz de exercitar nossa conexão com o que temos de melhor. Seja na interação social que nos dispomos a fazer com qualidade durante o jogo, seja no entendimento e reflexão sobre cada emoção despertada, seja na atenção a cada detalhe da experiência… O importante é esse olhar atento àquilo que nos conduz à plenitude, que pode ganhar uma lente bem ampliada com o advento da tecnologia.

Uma coisa é certa: se estivermos, no mundo analógico e offline, mais orientados a esse olhar, nossa percepção e aproveitamento de qualquer novidade online e eletrônica será diferente. Esta, por sua vez, se absorvida nesses moldes, aprofundará nossa perspectiva positiva.




TAGS :

    psicologia positiva, mindfulness, savoring, apps, bem-estar

Lillian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

Você toparia ter um relacionamento de “amizade com benefícios”? Tratam-se de amigos que se tornam parceiros sexuais sem deixar isso interferir na amizade; o termo vem da expressão 'friends with benefits'.





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.