DESTAQUES

Adolescência e suicídio: o desafio dos pais em educar frente às novas tecnologias

Karina Simões 25/04/2017 COMPORTAMENTO
Adolescência e suicídio: o desafio dos pais em educar frente às novas tecnologias
Fonte: imagem Pixabay
“Precisamos refletir e julgar menos esses pais”

por Karina Simões

Uma polêmica tem tomado conta das redes sociais, precisamente quanto à questão do suicídio envolvendo crianças e adolescentes. A mídia tem responsabilizado o jogo "Baleia Azul" e o seriado da Netflix intitulado "Thirteen Reasons Why" pelo aumento de suicídio envolvendo jovens.

Com o surgimento desse fenômeno, opiniões divergentes apareceram acerca da publicidade do suicídio na mídia. Os defensores da divulgação desse tipo de informação falam da importância de alertar pais e adolescentes para que se evite o aumento desse quadro desolador na estatística. Por outro lado, cientistas, a própria ONU e a ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) alertam sobre o perigo dessa divulgação que pode gerar o efeito de estímulo à prática do suicídio.

Foi possível se ver, igualmente, várias postagens em redes sociais responsabilizando os pais diante do fenômeno do aumento de suicídio. Afirma-se que os pais têm sido negligentes nos cuidados e acompanhamento dos seus filhos hoje em dia.

Consequentemente, movido por esse desamparo afetivo, o adolescente desencadeou o uso excessivo da internet, o qual tem gerado vários transtornos psíquicos.  

Será mesmo que encontramos o grande vilão responsável por tamanho adoecimento emocional familiar?

Gostaria de fazer um contraponto ou um questionamento sobre o assunto. Esta geração, notadamente quanto aos pais, tem desempenhado um papel que talvez em gerações anteriores não se observava.  

É difícil imaginar que há duas ou três gerações passadas pudesse se ver facilmente um pai preparando uma mamadeira, dando banhos em seus filhos ou mesmo trocando fraldas.

Via-se então nas gerações passadas o pai participativo na vida emocional desses filhos e eram pais extremamente afetuosos? Pais que dividiam tarefas com as mães?

Acho mesmo que precisamos refletir e julgar menos esses pais. Tal fato, hoje, não é tão incomum. Questiono as afirmações de que os pais negam mais afeto aos filhos do que em gerações anteriores.

Pais presentes

Hoje percebemos muito mais a presença desses pais tanto na participação de cuidados aos filhos quanto na presença nas atividades escolares, por exemplo. Percebo na clínica a maior preocupação desses pais com a educação e o equilíbrio emocional desses filhos. É notável enxergarmos que a participação masculina na criação afetiva aumentou bastante nos últimos 10 anos, pelo menos. Ou seja, os pais da atual geração participam muito mais efetivamente da vida dos filhos em detrimento dos pais de gerações passadas. Mas, é verdade que a modernidade nos trouxe novos desafios, pois a internet com os seus atrativos tem formado e educado os filhos com muito mais intensidade, eficiência e prazeres. E isso demanda um controle por parte desses pais, bem como uma exigência redobrada no processo de formação dos filhos.

É evidente que não defendo a negligência quanto ao processo de educação e formação dos filhos, principalmente, diante dos novos desafios e atrativos da modernidade, como a internet. Entretanto, penso ser injusta e equivocada a responsabilização total dos pais quanto ao fenômeno do suicídio ou da "baleia azul", pois os filhos atuais são amados com o mesmo ou talvez mais cuidado que os de gerações anteriores, onde não existiam tais jogos, por exemplo.

O fato é que os recursos tecnológicos têm desafiado a própria questão ética de um limite para além de uma possibilidade humana. A tecnologia encanta e traz atrativos que envolvem as crianças, os adolescentes e também os adultos. Quem é mãe ou pai bem sabe o que estou falando.  

Os pais atuais amam seus filhos sim, dedicam-se aos seus filhos, fazem tudo o que podem e algo mais. Observo nitidamente na clínica eles me trazerem a sensação de que quanto mais fazem, mais se sentem culpados e, dessa forma, não precisa que alguém ainda venha dizer que a culpa é totalmente deles!

Como se diz no senso comum: "A culpa é da mãe"! Brincadeiras à parte, os pais já carregam culpas demais diante de toda história da humanidade.  Assim, tirem os pais do banco dos réus ou ao menos sejam justos em admitir que os pais, dentro de seus limites, fazem de tudo para verem seus filhos crescerem saudáveis.

Considerações finais

Não se deve culpar/responsabilizar apenas aos pais, como se eles fossem ausentes etc. A modernidade virtual é um campo novo e desconhecido, e por mais presentes que os pais de hoje possam ser, vão se deparar com uma concorrência desleal: a internet. Assim, precisamos julgar menos e compreender mais.

Não se trata de uma questão de culpas, seja dos pais ou da virtualidade. Há um desafio para os pais em lidar com toda essa interatividade na vida dos seus filhos, nesse novo universo tecnológico da era hipermoderna. 




TAGS :

    pais, adolescentes, autoestima, jogos, online, riscos, proteger

Karina Simões

Psicóloga clínica cognitivo-comportamental. Possui especialização em Psicologia da Saúde e Desenvolvimento pela UFRN. Especialização pela Faculdade de Medicina do IPHC da USP. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas - FBTC. Mais informações: www.karinasimoes.com.br



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.